Economia

Japão passa à ofensiva no comércio internacional

Após a saída dos EUA, o Japão aceitou o desafio e cumpriu um papel primordial na concretização do novo Acordo de Associação Transpacífico

Japão: o país almeja um crescimento de 1,5% do seu PIB graças ao tratado (Tomohiro Ohsumi/Getty Images)

Japão: o país almeja um crescimento de 1,5% do seu PIB graças ao tratado (Tomohiro Ohsumi/Getty Images)

A

AFP

Publicado em 7 de março de 2018 às 17h00.

Após a saída dos Estados Unidos, em janeiro de 2017, o Japão aceitou o desafio e cumpriu um papel primordial na concretização do novo Acordo de Associação Transpacífico (TPP, na sigla em inglês), que deve ser assinado nesta quinta-feira no Chile.

Tradicionalmente na "defensiva" em negociações comerciais, essa "é a primeira vez que o Japão tem um papel ativo", declarou em fevereiro Kazuyoshi Umemoto, principal negociador japonês do novo Tratado Integral e Progressivo de Associação Transpacífico" (CPTPP, na sigla em inglês).

Contudo, um ano antes, o primeiro-ministro, Shinzo Abe, tinha afirmado que, sem os Estados Unidos, "o TPP não faz sentido".

A saída da maior potência econômica mundial certamente limitou o alcance do tratado, mas "mesmo sem os Estados Unidos, os benefícios não desapareceram", afirmou Kensuke Yanagida, pesquisador do instituto japonês de Assuntos Internacionais.

O Japão almeja um crescimento de 1,5% do seu PIB graças a este tratado, que aumentará as oportunidades das empresas japonesas nos países signatários, especialmente porque a China e a Coreia do Sul, outras duas grandes potenciais regionais, não fazem parte do acordo.

Melhorar a competitividade das empresas japonesas, especialmente nos setores em que são historicamente dominantes (informática e eletrônica, entre outros), é um dos principais desafios para a terceira maior economia mundial.

Disputa com a China

Após o acordo assinado com a União Europeia, este é o segundo tratado de livre-comércio concluído nos últimos meses pelo governo de Shinzo Abe.

Os acordos permitem ao Japão mover suas fichas na região Ásia-Pacífico frente à China, que multiplica suas iniciativas para estender sua influência.

"Este acordo muda a paisagem regional, porque agora há dois atores, e não apenas um, intensificando sua ação na diplomacia econômica", considera Mireya Solis, do centro de pesquisa Brookings Institution, de Washington.

Abandonar o TPP após a saída dos Estados Unidos teria aberto o caminho para a China tornar seu projeto de Associação Econômica Integral Regional (RCEP, na sigla em inglês) na única referência.

A RCEP almeja reagrupar os dez países da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean) e seus sócios na região (China, Japão, Coreia do Sul, Índia, Austrália e Nova Zelândia), mas exclui os Estados Unidos.

Como o CPTPP, a RCEP quer liberar o comércio, mas com menos ambições em matéria de normas de regulamentação, sobretudo no âmbito social e de meio-ambiente.

Para o Japão, seria importante "elaborar regras de intercâmbio e de investimento na Ásia e evitar que a China fizesse isso", afirma Tobias Harris, vice-presidente da sociedade de conselho Teneo Intelligence.

Recuperar os Estados Unidos

O Japão também quer se opôr à China e suas Novas Rotas da Seda, um conjunto de ambiciosos projetos de infraestruturas terrestres e marítimas de um montante de bilhões de dólares na Ásia, na Europa e na África.

Os nipônicos prometeram em 2015 investir 110 bilhões de dólares em cinco anos na Ásia para desenvolver infraestrutura.

Tóquio também se associou à Índia para aumentar os intercâmbios entre Ásia e África.

"A longo prazo, é importante para o Japão enfrentar a estratégia da China e sua iniciativa das Novas Rotas da Seda", garante Kensuke Yanagida.

Para isso, o Japão espera que um dia os Estados Unidos, aliado histórico, voltem ao CPTPP.

Acompanhe tudo sobre:Comércio exteriorDonald TrumpEstados Unidos (EUA)JapãoParceria Transpacífico

Mais de Economia

Haddad diz que Brasil é uma “encrenca”, mas que tem potencial de ser “grande”

Brasil está pronto para acordo Mercosul e União Europeia, diz Lula

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Votação do Marco Regulatório do Hidrogênio deve ocorrer antes do recesso, diz Arnaldo Jardim

Mais na Exame