Economia

Indicador antecedente da economia sobe 0,9% em dezembro, diz FGV

Pesquisa também aponta que o Indicador Coincidente Composto da Economia, que mede as condições econômicas atuais, subiu 0,5% na mesma comparação

Economia brasileira: Indicador Antecedente Composto da Economia atingiu a marca de 114,5 pontos (iStock/Thinkstock)

Economia brasileira: Indicador Antecedente Composto da Economia atingiu a marca de 114,5 pontos (iStock/Thinkstock)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 18 de janeiro de 2018 às 14h58.

São Paulo - O Indicador Antecedente Composto da Economia (IACE) para o Brasil teve alta de 0,9% em dezembro ante novembro, para 114,5 pontos, mostra relatório divulgado nesta quinta-feira, 18, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) e o Conference Board.

A pesquisa também aponta que o Indicador Coincidente Composto da Economia (ICCE) do Brasil, que mede as condições econômicas atuais, teve crescimento de 0,5% na mesma comparação, para 102,7 pontos.

"Os resultados dos indicadores antecedente e coincidente em dezembro caracterizaram a continuidade da tendência de variações positivas observada nos últimos meses, corroborando o cenário de retomada do nível de atividade", afirmou o pesquisador do Ibre, Paulo Picchetti.

O especialista ressalta que variações negativas em dezembro em alguns dos componentes dos indicadores apontam que a "expansão ainda é lenta e não completamente disseminada entre os setores". Ainda assim, Picchetti pondera que tal situação "não é suficiente para considerar provável uma reversão da atual fase de crescimento".

Das oito séries componentes do IACE, sete contribuíram com o crescimento, com destaque para o Ibovespa, que registrou alta de 6,2%.

Acompanhe tudo sobre:Crescimento econômicoeconomia-brasileiraFGV - Fundação Getúlio Vargas

Mais de Economia

Haddad diz que Brasil é uma “encrenca”, mas que tem potencial de ser “grande”

Brasil está pronto para acordo Mercosul e União Europeia, diz Lula

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Votação do Marco Regulatório do Hidrogênio deve ocorrer antes do recesso, diz Arnaldo Jardim

Mais na Exame