Economia

Independência da Escócia criará incerteza, diz FMI

Independência da Escócia será uma fonte de incerteza econômica e pode provocar reações negativas, segundo o FMI


	Bandeira da Escócia: referendo será em 18 de setembro
 (Getty Images)

Bandeira da Escócia: referendo será em 18 de setembro (Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de setembro de 2014 às 13h16.

Washington - Uma vitória do "sim" no referendo de independência da Escócia será uma fonte de incerteza econômica e poderá provocar reações negativas nos mercados, alertou o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta quinta-feira.

"Um dos principais efeitos imediatos poderá ser a incerteza na transição para uma situação monetária, financeira e orçamentária potencialmente diferente na Escócia", declarou um porta-voz do FMI, Bill Murray.

O líder separatista escocês Alex Salmond afirmou nesta quinta-feira que seu movimento vai vencer o referendo de 18 de setembro, uma perspectiva que pode levar o Royal Bank of Scotland (RBS) a transferir a sede para Londres, segundo a instituição.

O anúncio foi recebido pelos investidores com um aumento do preço das ações do RBS, que evitou a falência durante a crise financeira de 2008 graças à ajuda do Tesouro britânico.

Acompanhe tudo sobre:EscóciaFMIPaíses ricosRoyal Bank of Scotland

Mais de Economia

Governo está fazendo o dever de casa no Orçamento e persegue meta de inflação, diz Tebet

Às vésperas de assumir Petrobras, Magda se reúne na empresa para avaliar cenário

Lula sinaliza possibilidade de vetar projeto de taxação de compras na Shein e AliExpress

Não há problema em divisão do Copom, diz Diogo Guillen

Mais na Exame