Economia

IGP-M sobe 0,31% em abril, após queda de 0,47% em março, afirma FGV

O movimento desta leitura do IGP-M foi puxado pelo avanço do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M), a 0,29%

IGP-M: índice avança 0,31% em abril (Leandro Fonseca/Exame)

IGP-M: índice avança 0,31% em abril (Leandro Fonseca/Exame)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 29 de abril de 2024 às 11h31.

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,31% em abril, após queda de 0,47% em março, informou nesta segunda-feira, 29, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com esse resultado, o índice acumula queda de 3,04% nos últimos 12 meses.

O avanço do IGP-M nesta leitura superou o teto das estimativas colhidas pelo Projeções Broadcast, de 0,26%. A mediana do mercado indicava alta de 0,12% para o índice.

O movimento desta leitura do IGP-M foi puxado pelo avanço do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M), a 0,29%, após contrair 0,77% em março. Também houve avanço do Índice de Preços ao Consumidor (0,29% para 0,32%) e do Índice Nacional de Custos da Construção (0,24% para 0,41%).

IPA-M

Os preços ao produtor agropecuário aceleraram a 1,47% no IGP-M de abril, após subirem 0,62% em março. No mesmo sentido, os preços industriais moderaram o ritmo de queda (-1,26% para -0 13%) na passagem de março para abril

Com isso, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) como um todo voltou ao nível positivo, subindo 0,29% nesta leitura, após queda de 0,77% em março.

Nas aberturas por estágios de processamento, os bens intermediários aceleraram de 0,22% para 0,72%, puxados pela aceleração de materiais e componentes para manufatura (0,06% para 0,85%).

Os bens finais, por sua vez, caíram 0,13% em abril, ante alta de 0,03% em março. O movimento foi puxado por alimentos in natura (-2,17% para -2,37%). Já as matérias-primas brutas subiram 0,24% nesta leitura, após uma queda de 2,71% em março.

Influências

As maiores pressões para cima sobre o IPA-M partiram de soja em grão (-0,47% para 5,66%); café em grão (0,62% para 9,57%); cacau (19,92% para 63,63%); mandioca (3,15% para 7,22%); e leite in natura (3,78% para 3,47%).

Por outro lado, puxaram o índice para baixo minério de ferro (-13,27% para -4,78%); feijão em grão (-2,08% para -15,93%); banana (10,14% para -9,56%); milho em grão (-2,35% para -1,92%); e cana-de-açúcar (0,04% para -1,09%).

Acompanhe tudo sobre:IGP-M

Mais de Economia

Câmara aprova taxação de compras em sites como Shein e AliExpress; texto segue para sanção

Exclusivo: o que pode mudar na PEC que amplia autonomia do BC e pode economizar R$ 5 bi

Pacheco devolve parte da MP sobre créditos do PIS/Cofins

Banco Mundial projeta crescimento global de 2,6% e de 2,2% para o Brasil em 2024

Mais na Exame