Economia

Haddad: quem decide sobre dividendos é a Petrobras e assunto está encaminhado pelos diretores

Ministro reforçou que a Fazenda está auxiliando o presidente Lula na análise sobre a situação financeira da estatal

Fernando Haddad, ministro da Fazenda (Hollie Adams/Getty Images)

Fernando Haddad, ministro da Fazenda (Hollie Adams/Getty Images)

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 8 de abril de 2024 às 17h01.

Última atualização em 8 de abril de 2024 às 17h46.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta segunda-feira, 8, que quem decide sobre a distribuição de dividendos da Petrobras é a própria companhia e que o assunto está "bem encaminhado". Haddad ainda declarou que tem levado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva informações sobre a situação do caixa da estatal para que ele tenha a tranquilidade que o plano de investimentos não será prejudicado.

"Quem tem de decidir é a Petrobras [sobre o pagamento de dividendos aos acionistas], mas está bem encaminhado isso. A gente tem levado muitas informações ao presidente sobre o caixa da Petrobras. Temos falado com os diretores da Petrobras, com alguns conselheiros, para que o presidente tenha a tranquilidade que o plano de investimentos da Petrobras não vai ser prejudicado por falta de financeiro. Não é esse o problema", disse.

Segundo Haddad, a diretoria terá tranquilidade para tomar uma decisão sobre a distribuição de dividendos, o que contribuirá para manter a saúde financeira.

"Isso vai dar segurança para que a diretoria agora possa tomar com tranquilidade uma decisão. Mas penso que está bem encaminhado isso. Os números estão chegando e estão consistentes com o que pensávamos que era o caixa da empresa. A empresa está robusta, tem bom caixa, bom plano de investimentos. Apesar disso, a empresa não estava mais preparada para investir. Ela estava sendo dilapidada", disse.

Por fim, Haddad afirmou que não é de sua "alçada" discutir com Lula eventual troca no comando da Petrobras.

Imbróglio na Petrobras

O imbróglio em torno dos dividendos da Petrobras se arrasta há duas semanas, desde que o conselho, por orientação do governo, vetou a distribuição extra. O assunto também colocou o presidente da estatal. Jean Paul Prates na berlinda. Ao se abster de votar em reunião do colegiado, Prates desagradou Lula, que cogita substituí-lo.

Como mostrou à EXAME, Miriam Belchior e Magda Chambriard são cotadas para o cargo. Além delas, o presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, passou a ser apontado como um possível nome para o posto.

Acompanhe tudo sobre:PetrobrasFernando Haddad

Mais de Economia

TCU aprova contas do governo Lula em 2023, mas aponta distorções de R$ 20 bi

BNDES suspende pagamento de empréstimos do Aeroporto Salgado Filho, no RS, por 12 meses

Lula: há possibilidade de fundo saudita investir em vários setores no Brasil

Presidente da Petrobras afirma que Lula demandou que empresa apoie o desenvolvimento do país

Mais na Exame