Economia

Guedes: Selic baixa fará gasto com dívida pública cair R$ 96 bi em 2020

Em outubro, a despesa do governo com juros da dívida somou R$ 349,2 bilhões nos últimos 12 meses, equivalente a 4,96% do PIB

Paulo Guedes: "Com a desaceleração da dívida e com a queda dos juros dessa dívida, mudamos o "mix" de política monetária e fiscal" (Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Paulo Guedes: "Com a desaceleração da dívida e com a queda dos juros dessa dívida, mudamos o "mix" de política monetária e fiscal" (Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

AO

Agência O Globo

Publicado em 6 de dezembro de 2019 às 14h56.

Última atualização em 6 de dezembro de 2019 às 14h59.

Rio de Janeiro — A redução dos juros levará a uma economia de R$ 96 bilhões no custeio da dívida pública, afirmou, nesta sexta-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo ele, os cálculos são do secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, e refletem não apenas os cortes da taxa básica, a Selic, mas o recuo das taxas futuras após a aprovação da reforma da Previdência e a devolução de recursos pelo BNDES.

"Com a desaceleração da dívida e com a queda dos juros dessa dívida, mudamos o "mix" de política monetária e fiscal. Para o ano que vem, contas do Mansueto de duas semanas atrás, as despesas de juros vão cair R$ 96 bilhões. São três Bolsas Família. Recursos que estavam aí, como eu sempre digo, no paraíso dos rentistas", disse Guedes, em evento na sede do BNDES sobre saneamento básico.

Em outubro, a despesa do governo com juros da dívida somou R$ 349,2 bilhões em últimos 12 meses, equivalente a 4,96% do PIB. Foi o menor nível em cinco anos, segundo o Banco Central, mesmo com um salto de 70% no tamanho da dívida bruta no período. Segundo Guedes, a reforma da Previdência "derrubou a torre dos privilégios" e derrubou as taxas de juros futuros de longo prazo:

"Os juros curtos já estão na eminência de cair de novo. No governo anterior, os juros longos não caíram porque não houve reforma da Previdência", disse Guedes, sem mencionar, porém, a decepção de analistas e economistas com a reforma da Previdência dos militares.

Em seu discurso, Guedes repetiu críticas que costuma fazer, como ao aumento dos gastos públicos nos governos anteriores, à política de "campeões nacionais" do BNDES nos governo Lula e Dilma — que chamou de "gigantesca e perversa máquina de transferência de renda", citando nominalmente a JBS — e aos impostos sobre folha de pagamento ("armas de destruição em massa de empregos").

"É um absurdo botar dinheiro para um ou dois países aí que são parceiros ideológicos... É obscurantismo", criticou o ministro, referindo-se à política de financiamento à exportação de serviços de engenharia por empreiteiras brasileiras em países como Venezuela e Cuba nos governos do PT. De acordo com Guedes, os gastos públicos não vão crescer porque "o que é ruim não cresce."

"Não vamos destruir nada do que está feito, não vamos cortar. Vamos gastar menos e melhor. A boa notícia é que os investimentos estão crescendo 2%, e o Brasil só vai crescer se investir mais", acrescentou.

Acompanhe tudo sobre:Dívida públicaeconomia-brasileiraJurosPaulo GuedesSelic

Mais de Economia

Brasil vira maior importador de carros elétricos e híbridos da China

'Abrasileirar' preços e aumentar produtividade da Petrobras: o discurso de Magda Chambriard

Cigarro vai ficar mais caro? Governo avalia elevar preço mínimo para compensar desoneração

Às vésperas de votação do Mover, inclusão ou não de taxação de compras de até US$ 50 está indefinida

Mais na Exame