Acompanhe:

Guedes diz que "Brasil já estava decolando" antes da crise do coronavírus

Em videoconferência com empresários, ministro da Economia defendeu agenda de reformas e redução de impostos para o crescimento da economia brasileira

Modo escuro

Continua após a publicidade
Paulo Guedes: ministro da Economia defendeu uma agenda de reformas para que a economia brasileira volte a crescer (Adriano Machado/Reuters)

Paulo Guedes: ministro da Economia defendeu uma agenda de reformas para que a economia brasileira volte a crescer (Adriano Machado/Reuters)

R
Reuters

Publicado em 5 de abril de 2020 às, 10h16.

A retomada da economia brasileira após o impacto provocado pelo coronavírus será por meio da aceleração de reformas estruturantes e da redução de encargos trabalhistas, afirmou neste sábado (4) o ministro da Economia, Paulo Guedes, durante uma videoconferência com empresários do varejo.

Para Guedes, as reformas necessárias para o desenvolvimento da economia ficaram em um segundo plano devido à emergência de saúde, mas o ministro frisou que elas precisam ser retomadas assim que possível para que o país possa deixar para trás os problemas econômicos decorrentes da pandemia.

"Vamos completar esse ciclo, vamos atravessar essa onda, e voltaremos com as reformas", afirmou Guedes durante a videoconferência, que foi transmitida pela internet.

"Nossa saída, lá na frente, vai passar por redução de impostos, principalmente os mais disfuncionais. A retomada virá por aí, criar emprego tem que ser fácil, barato e estimulante."

O ministro destacou que, antes da pandemia do coronavírus, "o Brasil já estava decolando" e que a continuidade das reformas será necessária para destravar investimentos no país.

"Nos próximos meses, nós vamos estar destravando os investimentos no Brasil... a retomada será com investimentos em saneamento, investimento em cabotagem, infraestrutura, em educação e saúde e, principalmente, geração de emprego derrubando encargos trabalhistas, que são armas de destruição em massa dos empregos", afirmou.

Por agora, o governo federal tem anunciado medidas de injeção de recursos na economia, para combater efeitos no curto prazo.

Na sexta-feira, Guedes disse que os programas para combate ao avírus devem chegar a 1 trilhão de reais nas próximas semanas ou meses, pontuando que o déficit primário já está em 6% do Produto Interno Bruto (PIB).

O ministro voltou a afirmar neste sábado que o governo vai ajudar quem tiver dificuldades, rolando dívida, suplementando salários, duplicando ou triplicando o programa Bolsa Família, mas pediu aos empresários que eles mantenham a economia respirando.

"Vai ter dinheiro para todo mundo, mas vamos manter a economia respirando, não vamos asfixiar a economia, não vamos matar a economia, se não a tragédia será muito pior", afirmou.

Entre as sugestões recebidas pelos representantes do setor de comércio e varejo, Guedes observou que a antecipação de feriados do ano já foi aprovada.

Últimas Notícias

Ver mais
Eventuais alterações na desoneração da folha serão feitas por projeto de lei, diz Pacheco
Economia

Eventuais alterações na desoneração da folha serão feitas por projeto de lei, diz Pacheco

Há 5 horas

Governo quer antecipar R$ 26 bi de aportes da privatização da Eletrobras para reduzir conta de luz
Economia

Governo quer antecipar R$ 26 bi de aportes da privatização da Eletrobras para reduzir conta de luz

Há 6 horas

Setores se unem em manifesto contra a reoneração da folha de pagamentos
Economia

Setores se unem em manifesto contra a reoneração da folha de pagamentos

Há 7 horas

Dirigente do BoE destaca inflação de serviços, mas fala em espaço para normalizar juros
Economia

Dirigente do BoE destaca inflação de serviços, mas fala em espaço para normalizar juros

Há 9 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais