Economia

Governo registra superávit primário de R$ 11,1 bilhões em abril

Segundo o governo, o resultado ficou abaixo da mediada das expectativas da pesquisa Prisma Fiscal do Ministério da Fazenda, que indicava um superávt primário de R$ 18,3 bilhões

 (Gabriel Vergani / EyeEm/Getty Images)

(Gabriel Vergani / EyeEm/Getty Images)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 28 de maio de 2024 às 08h36.

Última atualização em 28 de maio de 2024 às 08h52.

As contas do governo federal registraram um superávit primário de R$ 11,1 bilhões em abril deste ano, informou o Tesouro Nacional nesta terça-feira, 28. O resultado é 31,7% menor do registrado no mesmo período do ano passado, quando a União teve superávit de R$ 15,6 bilhões.  

Segundo o governo, o resultado ficou abaixo da mediada das expectativas da pesquisa Prisma Fiscal do Ministério da Fazenda, que indicava um superávt primário de R$ 18,3 bilhões.

No acumulado do ano até abril, o resultado do governo atingiu um superávit primário de R$ 30,6 bilhões, ante superávit de R$ 46,8 bilhões no mesmo período de 2023.

O superávit acontece quando as receitas com tributos e impostos ficam acima as despesas do governo (não são considerados os gastos com o pagamento de juros da dívida pública). Se as receitas ficam abaixo das despesas, o resultado é de déficit primário.

De acordo com o relatório, o Tesouro Nacional e o Banco Central foram superavitários em R$ 41,4 bilhões, enquanto a Previdência Social (RGPS) apresentou déficit primário de R$ 30,3 bilhões.

Comparado a abril de 2023, o resultado primário deste mês é explicado pela combinação de aumento real de 8,4% (R$ 14,7 bilhões) da receita líquida e aumento real de 12,4% (R$ 19,9 bilhões) das despesas totais.

De acordo com o Tesouro Nacional, em abril:

  • A receita líquida foi de R$ 191,279 bilhões
  • A despesa total foi R$ 180,197 bilhões

Crescimento de receita líquida

De acordo com o Tesouro, o crescimento real da receita líquota em abril é explicado por quatro fatores:

  • Aumento de R$ 9,6 bilhçoes de arrecadação de Cofins e de R$ 2 bilhões no PIS/Pasep;
  • Elevação de R$ 1,7 bilhão no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), essencialmente explicado pela redução nominal das compensações tributárias, apesar do decréscimo na produção industrial;
  • Aumento do imposto de importação de R$ 1,3 bilhão, que decorreu dos aumentos do volume em dólar de importações, da taxa média de câmbio e da alíquota média efetiva desse imposto;
  • Crescimento de R$ 3 bilhões de arrecadação líquida para o RGPS, fruto da combinação dos aumentos da massa salarial, da criação de empregos formais e da arrecadação do Simples Nacional

O Tesouro explica que o crescimento de receita foi parcialmente compesado pela queda de R$ 1,5 bilhão em Concessões e Permissões, uma vez que em 2023 houve arrecadação de receitas de novas concessões de aeroportos no total de R$ 1,5 bilhão, valor que não se repetiu em abril de 2024.

Crescimento das despesas

O governo informou ainda que o aumento de despesas foi influciado principalmente pelo aumento de R$ 11,7 bilhões nos pagamentos de benefícios previdenciários, resultado principalmente da diferença no calendário de pagamento do 13º salário do INSS. Em 2023, o 13º salário da previdência social foi pago nos meses de maio, junho e julho, enquanto este ano será pago em abril, maio e junho.

Outros três fatores que explicam o crescimento das despesas são:

  • Aumento nos benefícios de prestação continuada, no valor de R$ 1,5 bilhão, reflexo do aumento no número de beneficiários e da política de valorização real do salário mínimo;
  • Crescimento das despesas com pessoal e encargos sociais em R$ 1,4 bilhão, em função principalmente de reajustes salariais concedidos ao funcionalismo público em 2023;
  • Aumento de R$ 2,2 bilhões nas despesas discricionárias.
Acompanhe tudo sobre:Tesouro NacionalGoverno Lula

Mais de Economia

STF retoma hoje julgamento de ações que questionam pontos da Reforma da Previdência de 2019

Exclusivo: Sky fecha parceria com Amazon para vender internet por satélite no Brasil

STF decide que Receita não pode cobrar tributação do terço de férias antes de agosto de 2020

Mais na Exame