Economia

Governo está fazendo o dever de casa no Orçamento e persegue meta de inflação, diz Tebet

Declaração da ministra do Planejamento foi feita durante participação no Fórum da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base

Simone Tebet, ministra do Planejamento (Diogo Zacarias/ Ministério da Fazenda/Flickr)

Simone Tebet, ministra do Planejamento (Diogo Zacarias/ Ministério da Fazenda/Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 23 de maio de 2024 às 17h15.

Tudo sobreLuiz Inácio Lula da Silva
Saiba mais

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, afirmou que o governo está fazendo o dever de casa no que diz respeito ao Orçamento e destacou a meta rígida de inflação, com foco na perseguição do alvo de 3%. Ela participou do Fórum da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) nesta quinta-feira em Brasília.

"Temos uma meta de inflação rígida. Nós temos que perseguir os 3% de inflação, não mais do que isso, porque a inflação corrói o salário do trabalhador. Com responsabilidade fiscal estamos tocando agenda vigorosa de controle na equipe econômica", afirmou a ministra.

Ela também destacou o arcabouço fiscal, que traz normas claras e impede o gasto acima da arrecadação.

Mais cedo, ela reiterou a falta de uma cultura de planejamento do País, que acarreta em muito gasto e de pouca qualidade.

Também falou que o Plano Plurianual (PPA) elencou prioridades, como a neoindustrialização e a geração de emprego e renda. "O Brasil tem grande janela de oportunidade a partir de 2026 graças à aprovação da reforma tributária", disse.

Tebet também destacou o projeto das Rotas de Integração, capitaneado pelo Planejamento, e que visa a uma maior integração regional.

Acompanhe tudo sobre:InflaçãoSimone-TebetMinistério do PlanejamentoOrçamento federalGoverno Lula

Mais de Economia

Governo avalia propostas para compensar desoneração da folha neste ano

Lula reclama de decisão do Banco Central sobre taxa de juros: ‘Uma pena que manteve’

Plano Real, 30 anos: Carolina Barros, do BC, e a jornada do Real ao Pix

Plano Real, 30 anos: dinheiro ainda é base de transações, mas 41% dos brasileiros preferem Pix

Mais na Exame