Economia

Governo Central deve ter superávit de R$ 1,3 bi em março, com alta na receita líquida, diz Ipea

Em março, a receita total do governo cresceu 10,0% ante o mesmo período do ano passado, descontada a inflação, para R$ 201,5 bilhões

Governo federal: despesa projetada totalizou R$ 165,2 bilhões em março de 2024 (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

Governo federal: despesa projetada totalizou R$ 165,2 bilhões em março de 2024 (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 11 de abril de 2024 às 14h29.

Última atualização em 11 de abril de 2024 às 14h45.

O Governo Central deve ter superávit primário de R$ 1,3 bilhão em março, aponta o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). As projeções do órgão indicam que a receita líquida atingiu R$ 166,5 bilhões no mês, crescimento de 10,1% em relação a março de 2023, já descontada a inflação do período. A despesa projetada totalizou R$ 165,2 bilhões em março de 2024, avanço de 4,2% em relação a março de 2023.

Conforme as estimativas do Ipea, em março, a receita total do Governo Central cresceu 10,0% ante março do ano passado, descontada a inflação, para R$ 201,5 bilhões.

"Isso se deu em razão do bom desempenho da arrecadação, tanto das receitas administradas pela Receita Federal do Brasil (RFB), com expansão de 11,2%, como das não administradas pela RFB, com aumento de arrecadação de 9,4%, sempre em termos reais", apontam os pesquisadores Sergio Ferreira e Felipe Martins, da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada do Ipea, na Carta de Conjuntura.

As estimativas preliminares, divulgadas nesta quinta-feira, têm como base dados da execução orçamentária registrados no Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi) do governo federal e obtidos por meio do Tesouro Gerencial, que "fornecem boa aproximação com os dados oficiais relativos ao resultado primário que será divulgado posteriormente pela Secretaria do Tesouro Nacional".

No acumulado do primeiro trimestre de 2024, o resultado primário foi de um superávit de R$ 22,9 bilhões, a preços de março, ante um superávit de R$ 33,4 bilhões registrado no mesmo período de 2023, queda de 31,4%.

As receitas tiveram um crescimento real de 9,3% no primeiro trimestre de 2024 ante o mesmo trimestre do ano passado, R$ 57,4 bilhões a mais. No entanto, as despesas aumentaram 12,6%, R$ 58 bilhões a mais, com destaque para o salto de 4.329,4% dos dispêndios com sentenças judiciais e precatórios, de R$ 29,5 bilhões.

Acompanhe tudo sobre:SuperávitGoverno LulaPIBPIB do Brasil

Mais de Economia

Dia da Indústria: setor busca modernização, com inovação e compromisso sustentável

Campos Neto vê 'notícia ruim' em projeções de inflação

País pode ter inflação maior que o esperado por causa da tragédia climática no RS, diz Campos Neto

Dívidas sobem 17%, e governo terá de pagar R$ 70,7 bilhões em precatórios em 2025

Mais na Exame