Acompanhe:

As contas do governo federal ficaram no azul no mês passado. Dados do Ministério da Fazenda divulgados nesta quinta-feira mostram que houve um superávit (receitas maiores que despesas) de R$ 79,3 bilhões em janeiro.

O dado é o terceiro melhor para o mês da série histórica do Tesouro Nacional, iniciada em 1997, já descontada a inflação. Só perde para os dados de 2022 e 2023. No ano passado, foi um superávit de R$ 84,9 bilhões.

O superávit só foi possível graças ao Tesouro, que contribuiu para o resultado com R$ 96,1 bilhões. O Banco Central e a Previdência tiveram, respectivamente, déficits de R$ 145 milhões e R$ 16,7 bilhões.

Arrecadação de impostos

A principal razão desse desempenho foi o aumento da arrecadação de impostos e contribuições federais, que bateu recorde, em uma combinação de receitas atípicas, medidas encaminhadas pelo Ministério da Fazenda e um mercado de trabalho e uma economia aquecidos.

O crescimento real, já descontada a inflação, foi de 6,6% sobre o mesmo mês de 2023, totalizando R$ 280 bilhões, o maior resultado para janeiro desde 1997, quando teve início a série histórica.

No mesmo mês de 2023, o saldo foi positivo em R$ 78,9 bilhões. De acordo com o Ministério da Fazenda, descontada a inflação do período, houve um crescimento de 3,7% da receita total em janeiro. Já as despesas aumentaram 6,8%.

Por outro lado, o resultado primário do governo acumulado em 12 meses foi deficitário em R$ 235 bilhões, o equivalente a 2,1% do PIB.

Receita cresce

De acordo com a Fazenda, a receita total teve um acréscimo de R$ 10 bilhões. As maiores contribuições para a expansão foram o Imposto de Renda, a Cofins, a Contribuição Social sobre o Lucro (CSLL).

De acordo com a Fazenda, em relação a janeiro de 2023, a despesa total apresentou aumento de R$ 10,1 bilhões, em termos reais. Entre os principais destaques, um deles foi o pagamento de benefícios previdenciários.

Em 2023, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva fechou o primeiro ano do seu terceiro mandato com um rombo de R$ 230,5 bilhões nas contas públicas, o equivalente a 2,12% do PIB. Foi o pior resultado desde 2020, auge da pandemia de Covid-19, e o segundo pior da série história do Tesouro Nacional, iniciada em 1997.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Lula cobra pedido de desculpas do Equador por invasão de Embaixada do México
Brasil

Lula cobra pedido de desculpas do Equador por invasão de Embaixada do México

Há 3 horas

Com destaque para Amazônia, Brasil reduz desmatamento de florestas
Um conteúdo Esfera Brasil

Com destaque para Amazônia, Brasil reduz desmatamento de florestas

Há 12 horas

Em encontro com Lula, Mercado Livre anuncia investimento de R$ 23 bilhões no Brasil
Economia

Em encontro com Lula, Mercado Livre anuncia investimento de R$ 23 bilhões no Brasil

Há 21 horas

Ceron: Estamos enfrentando revés com Congresso em relação à MP do Perse e desoneração
Economia

Ceron: Estamos enfrentando revés com Congresso em relação à MP do Perse e desoneração

Há 21 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais