Goldman Sachs reduz para 5% queda prevista para PIB do Brasil em 2020

Previsão do mercado para a queda da economia brasileira em 2020 é de 5,62%, de acordo com o último Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central

Economistas do Goldman Sachs revisaram para cima nesta sexta-feira suas perspectivas para a economia brasileira este ano, prevendo uma queda no de 5,0% do Produto Interno Bruto em vez da contração de 7,5% projetada anteriormente.

Em nota, o chefe de pesquisa para América Latina, Alberto Ramos, disse que os índices de atividade em recuperação, indicadores antecedentes positivos e pesquisas de confiança, além de uma crescente probabilidade de estímulo fiscal "significativo" contínuo até pelo menos o final do ano, estão por trás da revisão.

A previsão média do mercado para a queda da economia brasileira em 2020 é de 5,62%, de acordo com o último Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central.

Nesta sexta, o Banco Central divulgou o índice IBC-BR do 2º trimestre, considerado a prévia do PIB. Os dados do Banco Central mostram uma queda na atividade de 11%, na comparação com o trimestre anterior. O 2º trimestre de 2020 deve ser o que mais vai contribuir para a queda do PIB neste ano, devido ao pico da pandemia do coronavírus no país.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.