Forte expansão das classes D e E deve marcar pós-pandemia no Brasil

Desigualdade regional deve levar PIB do Nordeste acumular queda de 7,5% entre 2014 e 2021, enquanto o Centro Oeste deverá crescer 3,2%, prevê MB Associados

Uma forte expansão das classes D e E no Brasil, formadas por trabalhadores com até R$ 1974 de renda familiar, em detrimento de uma queda em todas as outras, será a principal consequência da crise do coronavírus a marcar o período pós-pandemia, alerta a MB Associados.

A distribuição de renda no país tem piorado desde 2014, no início da última recessão brasileira, mas o movimento foi intensificado pela pandemia. A MB estima que as classe D e E devem representar 57,5% dos domicílios em 2021,  contra 51,9% em 2014.

Embora o pagamento do auxílio emergencial de 600 reais tenha melhorado a renda da parte mais pobre da população nos últimos meses, esse quadro deve se deteriorar rapidamente após o fim da ajuda governamental, diz a consultoria em carta divulgada a clientes nesta semana.

A MB calcula um aumento de 12% (11,9 milhões de pessoas) nas Classes D e E entre 2019 e 2021, ante uma redução de 2% na classe média. No período, a classe C deve ter queda de 1,36 milhão de pessoas, a classe B, queda de 723 mil e a classe A, de 590 mil.

Essa previsão conta com o fim do socorro do governo no fim do ano com o Renda Brasil, programa mais amplo que deve substituir o Bolsa Família no ano que vem, com possíveis parcelas ao redor de 300.

“Com a flexibilização do mercado de trabalho com jornadas parciais e intermitentes e o fim da redução da jornada acordada este ano, corre-se o risco de, primeiro, uma continuidade na queda do emprego ano que vem. Segundo, as novas regras podem permitir arranjos trabalhistas com renda menor, fazendo com que as classes D e E se mantenham elevadas”, diz.

Distribuição por classe de renda, por MB Associados Distribuição por classe de renda, por MB Associados

Distribuição por classe de renda, por MB Associados (MB Associados/Divulgação)

 

Desigualdade regional

A queda de renda prevista para os próximos anos será mais sentida nos estados do Norte e do Nordeste do país, onde se concentram 50% das classes D e E do Brasil, e apenas 18% da classe A, segundo projeções da MB de 2021.

Esse movimento fará com que o PIB do Nordeste contraia 7,5% entre 2014 e 2021, calcula. Enquanto isso, o da região Centro Oeste pode crescer 3,2% nesse mesmo período, beneficiada pelo agronegócio.

Sobre o Nordeste, a consultoria destaca que, apesar de ser, historicamente, alvo de programas como o Bolsa Família, os números não mostram que a forte dependência de programas de renda e previdência na região não ajudaram a mudar o padrão de desenvolvimento.

Nesse contexto, o Nordeste, de novo, parece que será o centro da disputa política regional para 2022, assim como foi para o PT depois de 2003, ressalta o relatório. O que o Bolsa Família foi para o partido naqueles anos, o Renda Brasil poderá ser para o Bolsonaro:

“Quando o Estado falta, a crise surge de forma mais aguda no Nordeste em relação a do a outras regiões. Mas parece que não será dessa vez que a região será vista de outra forma além da disputa de interesses políticas pela eleição de 2022”, diz.

Embora o crescimento regional das classes D e E seja mais concentrado no Nordeste, o Sudeste também vai registrar forte alta nesse sentido, provavelmente por conta das perdas no setor de serviços, com peso relevante na região, diz a MB.

Revisão de PIB

A MB melhorou sua previsão para o PIB de 2020 nesta terça-feira, após divulgação do resultado do segundo trimestre pelo IBGE, de uma queda de 5,3% para contração de 4,8%. Para 2021, a consultoria espera avanço de 2,2% na economia:

“Segue sendo verdade que a tendência é de crescimento baixo nos próximos anos enquanto não se equacionar novamente a questão fiscal. Caso não seja feita, nova onda de instabilidade ocorrerá”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.