Economia
Acompanhe:

FMI e Banco Mundial alertam sobre risco crescente de recessão global

Instituições citam inflação contínua e alta de juros pelo banco central americano como fatores que pressiona os países em desenvolvimento

FMI e Banco Mundial: O FMI calcula que cerca de um terço da economia mundial terá pelo menos dois trimestres consecutivos de contração neste ano (Yuri Gripas/Reuters)

FMI e Banco Mundial: O FMI calcula que cerca de um terço da economia mundial terá pelo menos dois trimestres consecutivos de contração neste ano (Yuri Gripas/Reuters)

A
Agência O Globo

10 de outubro de 2022, 19h55

Os líderes do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial alertaram para o risco crescente de uma recessão global, à medida que as economias avançadas desaceleram e a inflação contínua força o Federal Reserve (banco central americano) a continuar aumentando as taxas de juros, o que eleva a pressão da dívida sobre os países em desenvolvimento.

Nos EUA, a maior economia do mundo, o mercado de trabalho ainda é muito forte, mas está perdendo força porque o impacto dos custos de empréstimos mais altos está “começando a morder”, disse a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva.

A Zona do Euro desacelera à medida que os preços do gás natural disparam, assim como a China devido às interrupções do Covid-19 e à volatilidade no setor imobiliário.

O FMI calcula que cerca de um terço da economia mundial terá pelo menos dois trimestres consecutivos de contração neste ano e no próximo, e que a produção perdida até 2026 será de US$ 4 trilhões.

Ao mesmo tempo, os formuladores de políticas não podem deixar a inflação ser um “trem desgovernado”, disse Georgieva em um evento virtual que deu início às reuniões anuais do FMI e do Banco Mundial. “Se você não fizer o suficiente, estaremos em apuros.”

Segundo ela, o apoio fiscal deve ser bem direcionado para que não alimente a inflação, e que o mundo precisa ajudar as economias emergentes e em desenvolvimento particularmente atingidas pelo aperto das condições financeiras.

O presidente do Banco Mundial, David Malpass, falando ao lado de Georgieva, alertou que há um “perigo real” de uma contração mundial no próximo ano. A força do dólar está enfraquecendo as moedas dos países em desenvolvimento, aumentando sua dívida para níveis “pesados”, disse ele.

Em um evento mais tarde, Georgieva disse que o FMI estima que há um déficit de US$ 9 bilhões na cobertura do balanço de pagamentos para países de renda média e baixa. A criação pelo Fundo, no mês passado, de uma “janela de choque alimentar” de financiamento de emergência, ajudará a atender essas necessidades, disse.

Em uma ampla conversa com representantes de grupos da sociedade civil, Georgieva disse que foi encorajada pela última discussão do conselho do FMI sobre revisão de cotas ou atualização das ações do fundo para dar mais voz às economias emergentes. Esse processo deve ser concluído em dezembro de 2023, e Georgieva disse que é importante para manter a credibilidade do Fundo.

Georgieva também disse que o FMI discutirá sobretaxas - as comissões cobradas dos países que usam extensivamente as linhas de crédito do credor - em dezembro.

As sobretaxas fornecem um incentivo para as nações de renda média evitarem empréstimos excessivos, disse Georgieva. Algumas nações em desenvolvimento e o ganhador do Prêmio Nobel Joseph Stiglitz defenderam sua eliminação, dizendo que eles conferem um custo injusto aos países em dificuldades.

LEIA TAMBÉM: 

Petrobras anuncia queda de 5% a clientes no preço dos gás natural para novembro

BCE e Banco Chinês estendem acordo de swap cambial por mais 3 anos