Economia

Fitch classifica bônus grego como falta de pagamento temporária

A agência assinalou nesta sexta-feira que decidiu situar a classificação moratória pelo envolvimento das instituições bancárias no plano de resgate do país

No entanto, a agência considera que o acordo do segundo resgate alcançado na quinta-feira representa um passo a frente "importante e positivo"
 (Milos Bicanski/Getty Images)

No entanto, a agência considera que o acordo do segundo resgate alcançado na quinta-feira representa um passo a frente "importante e positivo" (Milos Bicanski/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 22 de julho de 2011 às 09h33.

Londres - A agência Fitch informou nesta sexta-feira que atribuiu classificação de "moratória temporária" aos bônus soberanos do Governo grego, apesar do acordo do Eurogrupo de um segundo resgate à Grécia no qual o setor privado vai arcar com parte da ajuda.

Na cúpula da quinta-feira em Bruxelas, os líderes europeus acordaram um segundo programa de resgate à Grécia avaliado em 159 bilhões de euros, dos quais quase um terço será fornecido pelos bancos.

Assim, Fitch assinalou nesta sexta-feira que decidiu situar a classificação moratória pelo envolvimento das instituições bancárias, mas especifica que essa medição pode ser levantada uma vez a Grécia emita novos bônus aos bancos. Os novos bônus emitidos serão garantidos pelos Governos da zona do euro.

"Fitch considera que a participação do setor privado em um novo programa financeiro de apoio à Grécia constitui uma situação de moratória temporária. No entanto, a redução das taxas de juros e a extensão dos vencimentos podem oferecer à Grécia uma oportunidade para voltar a ter solvência, apesar dos tremendos desafios que enfrenta", assinala nesta sexta-feira na nota o diretor de dívida soberana de Fitch, David Riley.

A agência acrescenta que não está descartada a existência de mais situações de volatilidade nos mercados, enquanto podem continuar as pressões para a queda da classificação da dívida soberana até que haja uma recuperação econômica.

Nesse sentido, Fitch diz que a volatilidade continuará até a constatação de progresso na redução do déficit público e reformas estruturais que permitam crescimento de longo prazo.

No entanto, a agência considera que o acordo alcançado na quinta-feira à noite representa um passo a frente "importante e positivo".

Uma resposta unificadora à crise grega alivia as pressões sobre o crédito soberano e as classificações para toda essa zona.

"Os compromissos feitos pelos líderes da zona do euro na cúpula de quinta-feira representam um passo adiante importante e positivo para garantir a estabilidade financeira na zona do euro", especifica Riley.

Os líderes europeus impulsionaram também medidas para superar a crise da dívida e frear um possível contágio a outros países periféricos.

Na opinião da agência de medição de risco, a decisão de conceder um pacote de ajuda à Grécia a taxas de juros mais baixas e a participação do setor privado também indicaram estabilidade financeira na Grécia e em toda zona do euro.

Acompanhe tudo sobre:Agências de ratingCrise gregaCrises em empresasEmpresasEuropaFitchGréciaPiigs

Mais de Economia

Em novo atrito com Congresso, governo pede ao STF que declare inconstitucional desoneração da folha

Após veto do governo, cobrança de imposto em apostas pode variar de 1,3% a 283% no ano, diz estudo

Para Galípolo, mesmo com reprecificação, País pode se mostrar polo de atração de investimentos

Free Flow é um caminho sem volta, diz CEO da CCR Rodovias sobre novo tipo de pedágio

Mais na Exame