Fed mantém taxa de juros perto de zero após recuo no PIB dos EUA no 1º tri

Autoridades do banco central norte-americano repetiram a promessa de fazer o que for necessário para sustentar a economia em meio à pandemia do coronavírus

Fed: órgão diz que fará o que for necessário para proteger a economia do país (Leah Millis/Reuters)

Fed: órgão diz que fará o que for necessário para proteger a economia do país (Leah Millis/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 29 de abril de 2020 às 15h18.

Última atualização em 29 de abril de 2020 às 17h00.

As autoridades do Federal Reserve mantiveram nesta quarta-feira a taxa de juros perto de zero e repetiram a promessa de fazer o que for necessário para sustentar a economia, afirmando que a pandemia de coronavírus vai "pesar com força" sobre a perspectiva de curto prazo e apresenta "riscos consideráveis" para o médio prazo.

"O Federal Reserve está comprometido em usar sua gama total de ferramentas para sustentar a economia dos Estados Unidos neste momento desafiador, promovendo as metas de máximo emprego e estabilidade de emprego", disse o banco central norte-americano em comunicado ao final de dois dias de reunião de política monetária realizada por videoconferência.

Com tanta incerteza em torno da perspectiva econômica, o Fed afirmou que espera manter os juros "até que esteja confiante de que a economia superou os eventos recentes e está a caminho de alcançar suas metas de emprego máximo e estabilidade de preços".

O chair do Fed, Jerome Powell, dará entrevista à imprensa às 15h30 para discutir o resultado da reunião, a primeira desde que o banco cortou os juros para perto de zero e adotou medidas emergenciais para estabilizar os mercados financeiros.

Powell afirmou ainda que os gastos dos consumidores não serão recuperados em relação aos níveis registrados antes da pandemia do coronavírus até que seja retomada a confiança deles e dos empresários. "Esperamos até haver bastante confiança de que a economia está no caminho."

De acordo com Powell, o Fed não está com nenhuma pressa para voltar a subir os juros ou reduzir as medidas de estimulo monetário para tornar as condições de crédito nos EUA menos restritivas.

"Nossos empréstimos ajudam não apenas em si, mas ao dar confiança ao mercado", afirmou Powell.

Congresso

O presidente do Federal Reserve afirmou ainda que o Congresso dos Estados Unidos tem sido rápido para aprovar legislações autorizando o governo americano a dedicar recursos públicos para combater a recessão provocada pela pandemia do coronavírus. "Há grande preocupação com aqueles que perdem o emprego e têm poucas reservas", destacou.

Powell apontou que tem defendido que os EUA retornem a uma trajetória fiscal sustentável, mas em meio à maior recessão que o país enfrenta desde a Grande Depressão, agora não é a hora de ter preocupações com a expansão da dívida pública.

O presidente do Fed também apontou que a gestão da política monetária não será baseada em previsões sobre quando estarão disponíveis à população vacinas e remédios para combater a covid-19.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)

Mais de Economia

Haddad fala sobre recado de Lula para reforçar diálogo com o Congresso: 'Eu só faço isso da vida'

Segurança no Brasil tem impacto no prêmio de risco, diz Campos Neto

Prates afirma que não há crise na Petrobras e que tem boa relação com Lula e Silveira

Demanda por diesel sobe 8,7% no 1º bimestre, mas deve perder força no semestre, diz EPE

Mais na Exame