Faturamento da indústria sobe, mas CNI aponta desaquecimento

O faturamento real da indústria subiu 2,7% em abril, sendo o único indicador que teve desempenho positivo na comparação de abril com março

Brasília - O faturamento real, ajustado para o período, da indústria subiu 2,7% em abril, comparado a março, após registrar queda de 6,4% no resultado anterior (de acordo com o dado revisado).

É o que mostra pesquisa divulgada hoje (3) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Com a revisão do faturamento de março, a queda ficou 0,1 ponto percentual maior que a divulgada inicialmente (6,3%) e que já havia sido caracterizada como a maior retração mensal desde novembro de 2008.

Segundo a CNI, o faturamento foi o único indicador que teve desempenho positivo na comparação de abril com março, “o que confirma o desaquecimento da atividade industrial”.

Já na comparação com abril de 2013, houve retração no faturamento de 4,6%.

De acordo com gerente executivo da Unidade de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco, as “dificuldades da economia”, como alta da inflação, aumento da taxa de juros, redução nas exportações e aumento das importações, se refletem no ritmo produtivo da indústria.

“Aquelas variáveis mais ligadas ao ritmo de produção, como horas trabalhadas e uso da capacidade instalada, mostram esse baixo índice de produtividade. O ritmo de atividade industrial anda muito fraco”, disse.

As horas trabalhadas na produção ficaram praticamente estáveis em abril (recuo de 0,1%), na comparação com o mês anterior.

Em relação a abril do ano passado, houve queda de 5,9%.


O uso das instalações da indústria ficou inalterado no resultado divulgado, com média de 81,1%, o mesmo percentual registrado em março.

Na comparação com abril do ano passado, houve queda de 2,1 pontos percentuais.

Houve queda no emprego de 0,6%. Em março, também havia sido registrado retração, de 0,5%.

Em relação a abril de 2013, houve alta de 0,4% em abril.

A massa real de salários caiu 1,3% em abril, comparado a março, e o rendimento médio real teve retração de 0,2%.

Na comparação com igual mês do ano passado, a massa real de salários cresceu 2,2% e o rendimento médio real dos trabalhadores apresentou alta de 1,7%.

Para Castelo Branco, o emprego da indústria este ano será “mais fraco”, com alternância de queda e alta na sequência dos meses.

Na avaliação dele, a melhora nos indicadores do setor depende da retomada da confiança das empresas e famílias, com retorno dos investimentos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.