Economia

FAO: preços dos alimentos em alta pela primeira vez em 6 meses

A alta é consequência do tempo ruim

O índice dos preços de açúcar subiu 2,2%, mas continua sendo inferior em 20% ao nível de janeiro de 2011 (Damien Meyer/AFP)

O índice dos preços de açúcar subiu 2,2%, mas continua sendo inferior em 20% ao nível de janeiro de 2011 (Damien Meyer/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de fevereiro de 2012 às 12h04.

Paris - Os preços mundiais dos alimentos subiram em janeiro pela primeira vez em seis meses, uma consequência principalmente das más condições meteorológicas, anunciou nesta quinta-feira a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Em janeiro, o índice estabelecido pela FAO registrou alta de 2% na comparação com dezembro, o que representa o primeiro aumento desde julho. O resultado, no entanto, foi de 214 pontos, bem abaixo do recorde absoluto de fevereiro de 2011, quando o índice chegou a 236 pontos.

Todos os produtos alimentares estão incluídos, começando pelos óleos e seguidos de perto pelos cereais, açúcar, os produtos lácteos e a carne.

"O tempo ruim que afeta atualmente regiões produtoras cruciais como a América do Sul e a Europa teve um papel e continua sendo uma fonte de preocupação", explicou o economista da FAO Abdolreza Abbassian.

"No entanto, não há uma explicação única. Estão em um jogo fatores diferentes em cada tipo de produto", advertiu.

O nível do dólar e dos preços do petróleo, geralmente envolvidos nos aumentos, não parece ter desempenhado um papel importante em janeiro.

O índice dos preços de açúcar subiu 2,2%, mas continua sendo inferior em 20% ao nível de janeiro de 2011. O aumento se deve fundamentalmente ao tempo ruim no Brasil, o maior produtor e exportador mundial.

Acompanhe tudo sobre:AlimentaçãoAlimentosPreçosTrigo

Mais de Economia

Inflação ao consumidor na China continua em alta

Petrobras prevê perfurar novos poços do pré-sal em 2025 para garantir futuro da bacia de Campos

Senado estuda usar atualização do IR e repatriação para compensar desoneração

‘Temos absoluta confiança que o dólar vai cair’, diz Geraldo Alckmin

Mais na Exame