Economia

Falsificação no Alibaba ameaça reputação da China, diz órgão

O Alibaba deve prestar mais atenção à qualidade dos produtos e intensificar a luta contra mercadorias falsificadas, disse de agência chinesa


	O fundador da Alibaba, Jack Ma: proliferação de mercadorias de má qualidade é uma ameaça para a reputação da China, disse entidade
 (Ruben Sprich/Reuters)

O fundador da Alibaba, Jack Ma: proliferação de mercadorias de má qualidade é uma ameaça para a reputação da China, disse entidade (Ruben Sprich/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de fevereiro de 2015 às 17h26.

XANGAI/PEQUIM - O Alibaba deve prestar mais atenção à qualidade dos produtos e intensificar a luta contra mercadorias falsificadas vendidas online, disse o chefe da agência de qualidade de produtos da China ao presidente-executivo do site chinês de comércio eletrônico, Jack Ma.

A proliferação de mercadorias de má qualidade é uma ameaça para a reputação da China e o Partido Comunista e o governo chinês têm levado o assunto a sério, disse Zhi Shuping, diretor-geral da Administração Geral de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena, em reunião na segunda-feira.

"Qualidade é a salvação do desenvolvimento saudável do comércio eletrônico", teria dito Zhi na reunião, segundo comunicado em chinês publicado no site da agência.

"Em relação à imagem das empresas chinesas, os produtos chineses e feitos na China, a Alibaba - como uma marca líder de comércio eletrônico mundial - deve levar-se mais a sério, colocar mais ênfase na qualidade, ver a qualidade como a sua tábua de salvação, criar uma boa imagem e fazer grandes contribuições", afirma a nota.

Zhi também aprovou os esforços do Alibaba em busca de apoio de vários partes para combater falsificações, segundo o comunicado.

Acompanhe tudo sobre:AlibabaÁsiaChinae-commerceEmpresasEmpresas chinesasJack Ma

Mais de Economia

Em 4 anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia, prevê Tebet

Anatel poderá retirar do ar sites de e-commerce por venda de celulares irregulares

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Mais na Exame