Acompanhe:

Em votação simbólica, Senado aprova tributação de fundos exclusivos e texto vai para sanção

Previsão do governo é arrecadar até R$ 20 bilhões com a proposta que trata da tributação de investimentos da alta renda

Modo escuro

Continua após a publicidade
Plenário do Senado: governo espera arrecadar R$ 20 bilhões por ano com a proposta (Jefferson Rudy/Agência Senado/Flickr)

Plenário do Senado: governo espera arrecadar R$ 20 bilhões por ano com a proposta (Jefferson Rudy/Agência Senado/Flickr)

Em votação simbólica, o Senado aprovou o projeto de lei que tributa fundos exclusivos e offshores nesta quarta-feira, 29. O texto segue para sanção presidencial. A tributação de fundos é considerada essencial pelo Ministério da Fazenda para o governo conseguir aumentar a arrecadação federal em 2024 e zerar o déficit nas contas públicas.

A previsão do governo é arrecadar até R$ 20 bilhões com a proposta que trata da tributação de investimentos da alta renda em 2024.

Como será a taxação de fundos exclusivos e offshores

O texto prevê uma tributação anual com alíquota de 15% sobre os rendimentos de offshores, independentemente dos valores aplicados. Os fundos de investimento offshores são aqueles mantidos fora do Brasil, e que contam com ativos internacionais. Atualmente, o capital investido no exterior é tributado apenas quando resgatado e enviado ao país.

No caso dos fundos fechados, o texto define que o investidor terá incidência da chamada taxa “come-cotas” — imposto recolhido semestralmente sobre alguns fundos de investimento — de 15% para os fundos de longo prazo, e de 20%, para os de curto prazo.

Essa modalidade de fundo tem apenas um investidor com no mínimo R$ 10 milhões aplicados, com custo de manutenção de até R$ 150 mil por ano. Hoje, a tributação desse investimento acontece apenas no resgate. Segundo estimativas do governo federal, há 2,5 mil brasileiros com recursos aplicados nesses fundos, que acumulam R$ 756,8 bilhões e correspondem a 12,3% dos fundos no Brasil.

Relator não alterou o texto da Câmara

O relator do projeto de lei, senador Alessandro Vieira (MDB-SE), não alterou a proposta aprovada na Câmara. A proposta define uma taxa para quem optar por atualizar os rendimentos até 31 de dezembro deste ano. Foi estabelecida uma alíquota de 8% para a opção dada ao contribuinte de antecipar o pagamento do Imposto de Renda sobre rendimentos até 2023 nos fundos fechados e na opção de atualizar bens no exterior pelo valor de mercado em 31 de dezembro de 2023.

Os fundos de investimento exclusivos do agronegócio e imobiliários, com 50 participantes ou mais, vão continuar com isenção de imposto come-cotas. A manutenção da isenção para os fundos com menos cotistas, porém, teria uma condição: pessoas da mesma família, com CPFs interligados até parentesco de segundo grau, não podem ter juntos mais de 30% das cotas do fundo.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Governadores do Sul e Sudeste amenizam tom sobre renegociação de dívida com o governo federal
Brasil

Governadores do Sul e Sudeste amenizam tom sobre renegociação de dívida com o governo federal

Há um dia

Haddad diz que pasta retoma negociações com o Congresso na próxima semana
Economia

Haddad diz que pasta retoma negociações com o Congresso na próxima semana

Há 2 dias

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad
Economia

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad

Há 2 dias

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE
Economia

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais