Acompanhe:

Em cartas, vencedores do Nobel detonam Trump

Só nessa semana foram duas cartas em que vários vencedores do Nobel criticam as posições econômicas do candidato republicano

Modo escuro

Continua após a publicidade
Trump: ele tem pouco apoio entre os economistas (Carlo Allegri/Reuters Brazil)

Trump: ele tem pouco apoio entre os economistas (Carlo Allegri/Reuters Brazil)

J
João Pedro Caleiro

Publicado em 3 de novembro de 2016 às, 12h32.

Última atualização em 3 de novembro de 2016 às, 12h37.

São Paulo - Um grupo de 370 economistas divulgou nessa quarta-feira uma carta aberta recomendando que os americanos não votem em Donald Trump.

Entre os signatários estão 8 vencedores do Prêmio Nobel em Economia, incluindo Oliver Hart, um dos escolhidos deste ano, e Angus Deaton, que ganhou em 2015.

Também aparecem Kenneth Arrow, escolhido em 1972, e Paul Romer, atual economista-chefe do Banco Mundial.

"Donald Trump é uma escolha perigosa e destrutiva para o país. Ele informa erroneamente o eleitorado, degrada a confiança nas instituições públicas com teorias da conspiração e promove uma ilusão propositada ao invés de compromisso com a realidade. Se eleito, representa um perigo único ao funcionamento das instituições econômicas e democráticas e à prosperidade do país", diz o texto.

Em 13 pontos, a carta lista os problemas com o candidato republicano, muitos relacionados ao seu discurso de que a manufatura americana está em queda por causa do comércio internacional.

Trump diz que a solução é renegociar a área de livre comércio com Canadá e México e aplicar uma tarifa de 45% sobre as exportações chinesas.

Segundo a carta, a produção manufatureira americana dobrou desde 1980, mas emprega menos por causa da automação, não do comércio - e o plano de Trump não ajudaria em nada nesse sentido.

A carta diz que ao contrário do que Trump afirma, seu plano fiscal não reduziria o déficit e sim causaria uma perda enorme de receita.

Segundo eles, o candidato republicano coloca em cheque instituições respeitadas, tem uma ignorância profunda sobre assuntos econômicos e não ouve experts da área.

O único economista acadêmico no time do candidato é Peter Navarro, professor da Universidade da Califórnia em Irvine com PhD em Harvard.

Em entrevista para EXAME.com, ele defendeu as posições do candidato, o que voltou a fazer ontem em resposta ao documento dos economistas.

Batalha de cartas

Na última segunda-feira, um outro grupo de 19 vencedores do Nobel em Economia divulgou também uma carta aberta recomendando o voto em Hillary Clinton.

"Ela mostrou que acredita em formular políticas com base em evidências e entende a necessidade de fortalecer o crescimento econômico e garantir que ele produza prosperidade ampla", diz o texto.

Em setembro, uma carta assinada por 306 economistas foi divulgada com críticas aos planos econômicos da democrata que "continuariam com o ataque regulatório da administração Obama aos negócios e ao empreendedorismo".

O mais importante signatário é Eugene Fama, vencedor do Nobel em 2013. No entanto, ele afirmou ao jornal The Star que isso não significa apoio a Trump:

"Não apoio nenhum dos dois. Ambos são do tipo que gostam de governo grande".

Ex-conselheiros

Recentemente, o Wall Street Journal entrou em contato com 45 economistas que já passaram pelo Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca durante gestões republicanas e democratas.

O órgão é ligado ao Executivo e tem como função analisar dados e aconselhar o presidente sobre política econômica; é formado por três membros indicados pelo presidente, e o líder também precisa ser aprovado pelo Senado.

Nenhum dos ex-assessores ouvidos pelo jornal declarou apoio a Donald Trump; alguns afirmam que vão votar por Hillary Clinton e outros preferem não declarar nenhum apoio.

Mercado financeiro

O mercado financeiro também tem medo de Trump, segundo uma análise recente de Justin Wolfers, da Universidade de Michigan, e Eric Zitzewitz, do Dartmouth College com base no comportamento de índices durante o primeiro debate.

Eles calculam que uma vitória de Trump faria o preço do petróleo cair em 4 dólares, causaria uma desvalorização de 25% do peso mexicano e levaria a uma queda de 10% a 15% nos mercados de ações do Reino Unido e da Ásia.

As últimas pesquisas mostram Hillary na frente, mas com pequena margem. A eleição é na próxima terça-feira, dia 08 de novembro.

Últimas Notícias

Ver mais
Trump recorre de multa de R$ 1,7 bilhão por caso de fraude financeira
Mundo

Trump recorre de multa de R$ 1,7 bilhão por caso de fraude financeira

Há um dia

Donald Trump vence primárias da Carolina do Sul contra Nikki Haley
Mundo

Donald Trump vence primárias da Carolina do Sul contra Nikki Haley

Há 2 dias

Pai de Donald Trump gerado por inteligência artificial dá 'bronca' no filho
Mundo

Pai de Donald Trump gerado por inteligência artificial dá 'bronca' no filho

Há 2 dias

Eleições nos EUA: 4 pontos de atenção na disputa Trump e Haley nas primárias da Carolina do Sul
Mundo

Eleições nos EUA: 4 pontos de atenção na disputa Trump e Haley nas primárias da Carolina do Sul

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais