Economia
Acompanhe:

Devemos repensar arcabouço fiscal no máximo até abril, diz Haddad em Davos

"Recebemos uma herança delicada do governo anterior. Foi uma irresponsabilidade o que foi feito durante a eleição, disse Haddad

Fernando Haddad: O objetivo é fazer "algo estrutural", o que inclui a aprovação da reforma tributária e repensar o arcabouço fiscal do Brasil (José Cruz/Agência Brasil)

Fernando Haddad: O objetivo é fazer "algo estrutural", o que inclui a aprovação da reforma tributária e repensar o arcabouço fiscal do Brasil (José Cruz/Agência Brasil)

E
Estadão Conteúdo

17 de janeiro de 2023, 08h46

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, prometeu apresentar uma proposta de um novo arcabouço fiscal para o Brasil no máximo até o mês de abril. Segundo ele, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu uma "herança delicada" da gestão de Jair Bolsonaro, que foi "irresponsável" nas eleições, e quer aproveitar o momento para fazer "algo estrutural" nas contas públicas.

"Recebemos uma herança delicada do governo anterior. Foi uma irresponsabilidade o que foi feito durante a eleição… medidas tomadas sem nenhum amparo técnico, mas não podemos pensar apenas em reverter. Se apenas revertemos, vamos nos debruçar no que estava se passando, baixo crescimento,, concentração de renda", explicou.

. "É isso que vai dar sustentabilidade", afirmou Haddad.

De acordo com o ministro, o fiscal é "pressuposto do desenvolvimento, mas não é um "fim em si mesmo". "Você tem de ter as contas arrumadas, mas para você desenvolver o País, você precisa de uma política proativa de mapear as oportunidades", disse, citando as áreas se energia e indústria. "O fiscal é uma parte da lição de casa, mas não é a agenda econômica completa se você for pensar em desenvolvimento", disse Haddad, a jornalistas no Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Segundo ele, esse é o recado que vai levar a investidores internacionais durante almoço do Itaú Unibanco, que acontece em Davos, nesta terça-feira. Para Haddad, o mercado está "menos tenso" em relação à questão fiscal.

Ao comentar sobre sua agenda na manhã desta terça em Davos, Haddad disse que está tendo "reuniões prospectivas" em busca de parcerias com agentes internacionais e informações para o Brasil se posicionar na comunidade global. Nesta manhã, o ministro já teve três compromissos em Davos.

Um deles foi com o ministro saudita de investimento, Al-Fahli, na qual tratou de concessões federais e estaduais. "O governo saudita tem interesse em investir no Brasil por meio de parceria público privadas e concessões e está atento a editais de parceria do governo brasileiro e de estados vai lançar", disse Haddad. "É um volume de recursos disponível muito importante".

O ministro da Fazenda se reuniu ainda com o presidente da consultoria política Eurasia, Ian Bremmer, com o qual abordou as questões geopolíticas, a relação do Brasil no novo contexto de guerra comercial entre os Estados Unidos e China, a invasão à Ucrânia e das possibilidades brasileiras na disputa internacional pela indústria e comércio.

"A retomada do crescimento [do Brasil] para nós é essencial. Qual o lugar que o Brasil vai ocupar nesse contexto, em que há uma disputa internacional por investimentos como há muito tempo não se via?", questionou.

Sobre a agenda internacional do governo Lula, Haddad reafirmou que uma viagem aos Estados Unidos está programada para fevereiro e que deve acompanhá-lo. "Se envolver assuntos econômicos, devo acompanhá-lo", afirmou o ministro, que também se reuniu com o Lord Malloch Brown e Alexander Soros - filho do bilionário George Soros, da Open Society, com foco em agendas ambiental e democrática.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

LEIA TAMBÉM: