Economia

Desempenho do varejo afeta confiança de comerciante, diz CNC

Na visão de Fabio Bentes, economista da CNC, "pode ser que o fundo do poço não tenha chegado", pois a previsão é de um primeiro semestre difícil para o varejo


	Compras: Índice de Confiança dos Empresários do Comércio teve maior recuo anual da série histórica
 (Spencer Platt/Getty Images)

Compras: Índice de Confiança dos Empresários do Comércio teve maior recuo anual da série histórica (Spencer Platt/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 6 de janeiro de 2015 às 14h18.

Rio - A queda na confiança dos empresários do comércio em 2014, apontada em indicador da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), reage ao mau desempenho da atividade.

E o quadro pode piorar ainda mais caso não haja uma recuperação de vendas neste ano.

Na visão de Fabio Bentes, economista da CNC, "pode ser que o fundo do poço não tenha chegado", pois a previsão é de um primeiro semestre difícil para o varejo.

Na manhã desta terça-feira, 6, a CNC informou que o Índice de Confiança dos Empresários do Comércio (Icec) fechou 2014 com queda de 13,4% na comparação a dezembro de 2013, maior recuo anual do indicador em toda a série histórica da pesquisa, iniciada em março de 2011.

Na composição do Icec de dezembro, as condições atuais (com queda anual de 22,6%) pesaram mais do que as expectativas com o futuro (recuo de 9,9%).

Embora o otimismo maior com o futuro seja uma característica típica das pesquisas de confiança no Brasil, Bentes destacou a queda como um aspecto negativo.

"A confiança é contaminada pela percepção de uma perda de fôlego no varejo", disse o economista.

O economista lembrou que, embora o recuo no indicador já fosse esperado, no início de 2014, as projeções eram mais otimistas.

Ao longo do ano passado, as perspectivas para a atividade econômica como um todo e, para o desempenho do comércio em particular, foram sendo revistas para baixo.

Agora, a expectativa é de que o varejo registre em 2014 o pior desempenho desde 2003, como já apontam os primeiros dados sobre vendas no Natal.

Segundo Bentes, a CNC ainda projeta crescimento de 3,1% nas vendas do varejo em 2014, mas com viés de baixa.

Para 2015, a projeção é de 3,6%, mas um desempenho inferior a 2014 não pode ser descartado, na avaliação do economista.

Riscos

Arrefecimento do mercado de trabalho, inflação elevada e juros em alta para combatê-la estão por trás do mau desempenho do varejo, segundo Bentes.

O fator de maior peso foi o aperto na política monetária. O economista da CNC chama atenção para a elevação nas taxas de juros ao consumidor pessoa física no crédito livre, medidas pelo Banco Central (BC): saltaram de 38,5% ao ano, em novembro de 2013, para 44,2%, em novembro último.

Com isso, a persistência do comprometimento da renda dos consumidores com o pagamento de dívidas, que tira fôlego do consumo, segue como risco para o desempenho do varejo neste ano.

Outro grande risco, segundo Bentes, é a taxa de câmbio. A mudança de patamar na cotação do dólar pode encarecer a renovação dos estoques, sobretudo de bens duráveis, enquanto a baixa disposição dos consumidores para gastar pode dificultar o reajuste dos preços finais.

O resultado pode ser achatamento das margens de lucro.

O mau desempenho deverá impactar no mercado de trabalho. Em 2013, o varejo gerou 261 mil postos de trabalho, segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego citados por Bentes.

Ano passado, a CNC prevê que a geração tenha ficado entre 140 mil e 150 mil vagas.

As contratações de temporários, entre setembro e novembro, cresceram apenas 0,3% ano passado. Em 2013, em igual período, foram geradas 3,2% mais vagas temporárias.

Acompanhe tudo sobre:ComércioDesempenhogestao-de-negociosIndicadores econômicosResultadoVarejo

Mais de Economia

Plano Real, 30 anos: Edmar Bacha e o papelzinho azul que deu origem à nova moeda

Plano Real, 30 anos: "URV, POR QUE ESSE PLANO É MELHOR QUE TODOS OS ANTERIORES?"

Plano Real, 30 anos: a reforma das reformas — e o futuro da moeda no Brasil

Adiada, votação sobre PL do hidrogênio verde deve ocorrer nesta quarta-feira

Mais na Exame