Economia

Desempenho da economia afetou arrecadação, diz Receita

"Os principais indicadores macroeconômicos que afetam a arrecadação tiveram desempenho negativo", afirmou chefe de centro da Receita Federal


	Dinheiro: chefe da Receita evitou fazer previsões de recolhimento de tributos para este ano
 (Arquivo/Agência Brasil)

Dinheiro: chefe da Receita evitou fazer previsões de recolhimento de tributos para este ano (Arquivo/Agência Brasil)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de janeiro de 2015 às 16h14.

Brasília - O chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, Claudemir Malaquias, afirmou nesta quarta-feira, 28, que o comportamento da economia no ano passado refletiu diretamente no comportamento da arrecadação - que teve queda real na comparação de 2014 com 2013.

"Os principais indicadores macroeconômicos que afetam a arrecadação tiveram desempenho negativo", afirmou, em referência a dados de produção industrial, venda de bens e serviços e valor em dólar das importações.

Malaquias destacou que a massa salarial teve comportamento "diferente" e teve alta no ano passado.

"Em parte, a manutenção da massa salarial foi custeada pela desoneração", afirmou.

Ao analisar o desempenho da arrecadação das receitas administradas pela Receita Federal em 2014, Malaquias disse que a tendência negativa de arrecadação no fim do ano teve início no mês de maio.

"O comportamento de queda que se iniciou em maio só foi alterado de agosto a outubro pelo ingresso do Refis", disse.

Previsões

Malaquias evitou fazer previsões de recolhimento de tributos para este ano. "Não faremos previsão de arrecadação para 2015 neste momento. Estamos no começo do ano e não tivemos ainda oportunidade de estudar todos cenários que vão nos orientar", disse na tarde desta quarta-feira, 28.

Segundo ele, a previsão será conhecida "precisamente" no decreto de execução orçamentária.

"Não podemos dizer o placar do jogo se estamos nos 20 minutos do primeiro tempo", disse.

Questionado sobre se seria possível reverter o resultado de 2014, quando ocorreu uma queda real ante 2013, Malaquias reforçou que é preciso aguardar.

"Precisamos esperar leitura do cenário. Só vou ao mercado quando dou uma olhada no armário de comida".

Acompanhe tudo sobre:Desempenhoeconomia-brasileiragestao-de-negociosImpostosLeãoreceita-federal

Mais de Economia

Marco dos seguros avança no Senado e segue para o plenário da Casa

Pistas de Lula sobre perfil do próximo presidente do BC assustam banqueiros e gestores

Brasil poderá ser exportador de SAF para África e América do Sul, diz ministro de Aeroportos

Petrobras faz acordo com União e impacto no lucro será de R$ 11 bilhões

Mais na Exame