Crise destruiu um em cada sete empregos em Portugal

No segundo trimestre de 2013 o desemprego em Portugal era de 16,4%, contra os 17,7% dos primeiros três meses do ano

Lisboa - Desde 2008, o ano em que começou a crise, Portugal perdeu um em cada sete empregos, a maioria deles a partir de maio de 2011, quando entrou em vigor o plano de resgate internacional da economia do país, indicou nesta segunda-feira a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

"O mercado de trabalho não experimentou nenhuma melhora desde o lançamento" do programa de ajuda de 78 bilhões de euros apoiado pela Comissão Europeia, pelo Banco Central Europeu e pelo Fundo Monetário Internacional, disse a OIT em seu relatório.

"De fato, o aumento do desemprego se intensificou nos dois últimos anos e apenas ultimamente foram observados sinais de desaceleração" da tendência, indica o relatório.

No segundo trimestre de 2013 o desemprego em Portugal era de 16,4%, contra os 17,7% dos primeiros três meses do ano. Esta queda é, no entanto, frágil, e o governo prevê um aumento da taxa de desemprego a 17,7% em 2014.

Em troca da ajuda internacional, Portugal está aplicando um duro plano de três anos de cortes e reformas. Segundo a OIT, as supressões de postos de funcionários que formam parte do plano "têm um efeito direto no desemprego".

"Os cortes de salários e dos programas sociais, combinados com o aumento de impostos, corroeram a renda das famílias e o consumo", disse Raymond Torres, diretor do departamento de pesquisa da OIT, citado no relatório.

"As pequenas e médias empresas têm que lutar para encontrar financiamento", mas os bancos são reticentes em dar crédito "e perdem a oportunidade de criar novos empregos", acrescentou.

Para resolver esta situação, seria necessário colocar em andamento "um programa de apoio ao emprego bem concebido no nível da Eurozona", afirma a OIT.

Segundo os cálculos da organização, "a reorientação das políticas de emprego deve contribuir para reduzir o desemprego" em Portugal em cerca de 2% até 2015.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.