Economia

Confira como cada senador votou na reforma da Previdência

Todos os senadores que votaram contra a reforma da Previdência no primeiro turno mantiveram seus votos

Senadores no plenário: texto-base teve 60 votos a favor e 19 contra (Pedro França/Agência Senado)

Senadores no plenário: texto-base teve 60 votos a favor e 19 contra (Pedro França/Agência Senado)

Victor Sena

Victor Sena

Publicado em 23 de outubro de 2019 às 17h17.

Última atualização em 23 de outubro de 2019 às 23h06.

São Paulo — Os 19 senadores que disseram não à reforma da Previdência durante a votação do texto em  primeiro turno no Senado reafirmaram seus votos contrários às novas regras na segunda votação, nesta terça-feira, 22.

Na primeira votação, no começo de outubro, 76 senadores foram ao plenário, de um total de 81 parlamentares. Já nesta terça, 79 senadores votaram. Apenas o senador Rodrigo Pacheco (MG-DEM) não participou da votação. A soma resulta em 79 votos porque o presidente do Senado não vota.

Jader Barbalho (MDB-PA), Marcos do Val (PODEMOS-ES), Maria do Carmo Alves (DEM-SE) e Oriovisto Guimarães (PODEMOS-PR) não votaram no primeiro-turno, mas no segundo disseram "sim" às novas regras de aposentadoria, o que elevou a margem de aprovação do texto do governo federal.

Na primeira votação, o texto-base foi aprovado por 56 votos a 19. Já no segundo turno foram 60 votos a favor, contra os mesmos 19 senadores.

Para ser aprovada, a reforma da Previdência precisava de pelo menos 49 votos a favor, já que o texto é uma Proposta de Emenda à Constituição.

Depois de a tramitação ter sido finalizada nesta quarta-feira no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro deve assinar o texto no começo de novembro. Com as alterações feitas por deputados e senadores, a reforma da Previdência deve economizar R$ 800 bilhões em 10 anos.

Confira como votou cada senador:

SENADORESTADOPARTIDOVotação no 2º truno
Acir GurgaczROPDTNão
Alessandro VieiraSECIDADANIASim
Alvaro DiasPRPODEMOSSim
Angelo CoronelBAPSDSim
Antonio AnastasiaMGPSDBSim
Arolde de OliveiraRJPSDSim
Carlos VianaMGPSDSim
Chico RodriguesRRDEMSim
Cid GomesCEPDTNão
Ciro NogueiraPIPPSim
Confúcio MouraROMDBSim
Daniella RibeiroPBPPSim
Dário BergerSCMDBSim
Davi AlcolumbreAPDEMPresidente (art. 51 RISF)
Eduardo BragaAMMDBSim
Eduardo GirãoCEPODEMOSSim
Eduardo GomesTOMDBSim
Eliziane GamaMACIDADANIANão
Elmano FérrerPIPODEMOSSim
Esperidião AminSCPPSim
Fabiano ContaratoESREDENão
Fernando Bezerra CoelhoPEMDBSim
Fernando CollorALPROSNão
Flávio ArnsPRREDESim
Flávio BolsonaroRJPSLSim
Humberto CostaPEPTNão
IrajáTOPSDNão
Izalci LucasDFPSDBSim
Jader BarbalhoPAMDBSim
Jaques WagnerBAPTNão
Jarbas VasconcelosPEMDBSim
Jayme CamposMTDEMSim
Jean Paul PratesRNPTNão
Jorge KajuruGOCIDADANIASim
Jorginho MelloSCPLSim
José MaranhãoPBMDBSim
José SerraSPPSDBSim
Juíza SelmaMTPODEMOSSim
Kátia AbreuTOPDTSim
Lasier MartinsRSPODEMOSSim
Leila BarrosDFPSBNão
Lucas BarretoAPPSDSim
Luis Carlos HeinzeRSPPSim
Luiz do CarmoGOMDBSim
Mailza GomesACPPSim
Major OlimpioSPPSLSim
Mara GabrilliSPPSDBSim
Marcelo CastroPIMDBSim
Marcio BittarACMDBSim
Marcos do ValESPODEMOSSim
Marcos RogérioRODEMSim
Maria do Carmo AlvesSEDEMSim
Mecias de JesusRRREPUBLICASim
Nelsinho TradMSPSDSim
Omar AzizAMPSDSim
Oriovisto GuimarãesPRPODEMOSSim
Otto AlencarBAPSDNão
Paulo PaimRSPTNão
Paulo RochaPAPTNão
Plínio ValérioAMPSDBSim
Randolfe RodriguesAPREDENão
ReguffeDFPODEMOSSim
Renan CalheirosALMDBNão
Roberto RochaMAPSDBSim
Rodrigo CunhaALPSDBSim
Rodrigo PachecoMGDEMMIS
Rogério CarvalhoSEPTNão
RomárioRJPODEMOSSim
Rose de FreitasESPODEMOSSim
Sérgio PetecãoACPSDSim
Simone TebetMSMDBSim
Soraya ThronickeMSPSLSim
Styvenson ValentimRNPODEMOSSim
Tasso JereissatiCEPSDBSim
Telmário MotaRRPROSSim
Vanderlan CardosoGOPPSim
Veneziano Vital do RêgoPBPSBNão
Wellington FagundesMTPLSim
WevertonMAPDTNão
Zenaide MaiaRNPROSNão
Zequinha MarinhoPAPROSSim

 

Acompanhe tudo sobre:Governo BolsonaroPolíticosReforma da PrevidênciaSenado

Mais de Economia

Em 4 anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia, prevê Tebet

Anatel poderá retirar do ar sites de e-commerce por venda de celulares irregulares

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Mais na Exame