Economia

TJRJ reverte decisão que obriga Petrobras a indenizar Manguinhos

Tribunal de Justiça do RJ reformou sentença que condenava a petroleira a pagar 1 bilhão de reais de indenização à Refinaria de Manguinhos

Petrobras: sentença determinava que companhia deveria pagar por suposta concorrência desleal na fixação de preços (Paulo Whitaker/Reuters)

Petrobras: sentença determinava que companhia deveria pagar por suposta concorrência desleal na fixação de preços (Paulo Whitaker/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 14 de março de 2018 às 18h51.

Última atualização em 14 de março de 2018 às 20h59.

Rio de Janeiro - O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro reformou nesta quarta-feira sentença que condenava a Petrobras a pagar 1 bilhão de reais de indenização à Refinaria de Manguinhos por suposta concorrência desleal na fixação de preços, informou o órgão judicial em nota à imprensa.

Em decisão por maioria, de quatro votos a um, a turma de desembargadores determinou ainda o imediato levantamento da hipoteca legal sobre o edifício-sede da empresa, conhecido como Edise, no Centro do Rio, e o pagamento de honorários estipulado no valor de 10 por cento da causa.

"Segundo o entendimento da maioria do colegiado, a Petrobras não praticou preços abaixo do custo como alegado por Manguinhos, uma vez que os valores eram arbitrados pela União", disse o Tribunal de Justiça em nota.

Segundo o tribunal, antes de entrar no mérito da causa, os desembargadores debateram se a competência para julgar o caso deveria se dar no âmbito estadual ou federal, sendo deliberada, por maioria, a competência do Tribunal de Justiça.

Acompanhe tudo sobre:IndenizaçõesJustiçaPetrobrasPetróleoRefit – Refinaria de Manguinhos

Mais de Economia

Lula sanciona Perse com 30 setores e limite de R$ 15 bilhões para benefício fiscal

Governo conta com pagamento integral de dividendos pela Petrobras para fechar as contas de 2024

Haddad admite preocupação com o 3º bimestre por causa do RS

Haddad afirma que anúncio de medida compensatória para desoneração depende ainda de Lula

Mais na Exame