Economia

Como a Venezuela sobreviverá a uma inflação estimada em 1.000.000%

O horizonte sombrio apontado pelo FMI - com uma queda de 18% do PIB - não surpreende a população, que enfrenta a crise diariamente

Crise na Venezuela: salário mínimo de um venezuelano - 1,50 dólar pela taxa do mercado paralelo - dá somente para comprar um quilo de frango (Adriana Loureiro/Reuters)

Crise na Venezuela: salário mínimo de um venezuelano - 1,50 dólar pela taxa do mercado paralelo - dá somente para comprar um quilo de frango (Adriana Loureiro/Reuters)

A

AFP

Publicado em 27 de julho de 2018 às 09h21.

Última atualização em 27 de julho de 2018 às 09h23.

A inflação da Venezuela pode chegar a 1.000.000% este ano, segundo uma projeção do FMI que dá margem a muitos cenários e a uma única certeza: a dramática deterioração das condições de vida no país.

Hoje a salário mínimo de um venezuelano - 1,50 dólar pela taxa do mercado paralelo - dá somente para comprar um quilo de frango. As finanças públicas definham com a queda da produção petroleira, responsável por 96% das receitas do país.

O horizonte sombrio apontado pelo FMI - com uma queda de 18% do PIB - não surpreende a população, que enfrenta a crise diariamente.

"Nada mais me surpreende. Todos os dias as coisas aumentam. Não é gradual, é exponencial", comentou à AFP Marcos Salazar enquanto comia um hambúrguer que custou um salário mínimo.

Professor de 31 anos, ele sobrevive com três trabalhos e remessas de familiares no exterior.

Estima-se que 1,6 milhão de venezuelanos tenham emigrado desde 2016 por causa da crise, que segundo as principais universidades do país elevou a pobreza para 87% em 2017.

O FMI acredita que esse êxodo se intensificará ainda mais pela escassez de comida e medicamento e pela deterioração dos serviços públicos, com um forte impacto na região.

Reformas profundas, única saída

Segundo a Opep, a produção da estatal petroleira, quase única fonte de divisas, caiu de 3,2 milhões de barris diários (mbd) em 2008 para 1,5 milhões em junho deste ano, sem conseguir aproveitar a recuperação dos preços no mercado internacional.

A redução continuará até os 1,3 mbd no fim do ano, segundo a consultora Ecoanalítica, acentuando um déficit que especialistas avaliam em 20% do PIB.

"Só se sai da hiperinflação com reformas econômicas profundas. Assim terminaram todos os casos", disse à AFP Henkel García, diretor da consultora Econométrica, lembrando que esses fenômenos não se mantêm de forma permanente, como demostrou o caso do Zimbábue.

O FMI prevê, entretanto, que o governo socialista de Nicolás Maduro continuará cobrindo o déficit com financiamento monetário, o que impulsiona ainda mais a inflação.

A base monetária se multiplicou por 250 nos últimos dois anos, segundo o Banco Central.

García diz que além de frear essa expansão, é necessário resgatar a indústria - que funciona com 30% de sua capacidade - e desmontar o controle de preços e da taxa de câmbio, que confere ao Estado o monopólio das divisas.

Também é fundamental encontrar financiamento, com o obstáculo das sanções dos Estados Unidos contra a Venezuela e a PDVSA, em default parcial por não pagar títulos da dívida.

Para a Econométrica, é preciso injetar entre 20 e 30 bilhões de dólares anuais por dois ou três anos.

No entanto, "não se vislumbra interesse algum do Executivo para modificar a política econômica", exceto algumas flexibilizações cambiais, considera a Ecoanalítica em seu relatório mais recente de perspectivas.

Explosão incerta

Maduro, cuja reeleição em 20 de maio não foi reconhecida em grande parte da comunidade internacional, tem à frente um desafio de equilibrista para não perder o controle.

Ele enfrenta crescentes protestos de funcionários estatais por melhorias salariais e de cidadãos cansados das contínuas falhas nos serviços públicos.

Essas manifestações, entretanto, estão isoladas e contam com a liderança da oposição, por enquanto desarticulada e com vários líderes presos ou exilados.

"O protesto social continuará aumentando", declarou à AFP o analista político Michael Penfold.

Ao mesmo tempo, e com recursos escassos, o governo deve atender às demandas de uma coalizão governante composta - segundo a Ecoanalítica - por "múltiplos grupos captadores de rendas".

"É provável que apenas a piora da crise gere as pressões necessárias para alterar o equilíbrio" dessa aliança ou, inclusive, "provoque sua substituição", adverte a Ecoanalítica, que prevê mudanças estruturais no começo de 2019.

Para o cientista político Miguel Martínez Meucci, "a principal ameaça para Maduro continua sendo o racha das Forças Armadas", cujo alto comando, com grande poder político e econômico, lhe jura lealdade.

"Embora um conflito social possa propiciar isso, o regime trabalha noite e dia para sufocar ambas as coisas", disse à AFP.

Dirigentes do chavismo elevaram nos últimos dias suas vozes pedindo mudança econômica. Essas tensões poderão vir à tona no congresso do partido do governo, que começará no sábado.

"Temos 19 anos de revolução, já somos responsáveis pelo bem e pelo mal", afirmou Freddy Bernal, influente colaborador de Maduro, reconhecendo que "a governabilidade foi perdida".

Acompanhe tudo sobre:InflaçãoNicolás MaduroVenezuela

Mais de Economia

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Votação do Marco Regulatório do Hidrogênio deve ocorrer antes do recesso, diz Arnaldo Jardim

Opinião: Hidrogênio para a Neoindustrialização

Prévia do PIB: IBC-Br fica estável e fecha abril com variação de 0,01%, abaixo da expectativa

Mais na Exame