Economia

Comissão Mista do Orçamento deve votar hoje relatório com derrotas para o governo

Texto será analisado de manhã pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) e, se passar, a Lei Orçamentária Anual (LOA) deve ir a plenário à tarde

CMO: Nesta terça, o relator do Orçamento de 2024,, apresentou o parecer em que prevê uma redução de 27% nos recursos previstos para o PAC (Lula Marques/Agência Brasil)

CMO: Nesta terça, o relator do Orçamento de 2024,, apresentou o parecer em que prevê uma redução de 27% nos recursos previstos para o PAC (Lula Marques/Agência Brasil)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 21 de dezembro de 2023 às 07h01.

Última atualização em 21 de dezembro de 2023 às 07h03.

A Comissão Mista de Orçamento (CMO) do orçamento deve votar hoje o relatório com derrotas para o governo. Entre elas, estão cortes no PAC; o aumento do valor das emendas, o que faz o Executivo perder controle sobre as verbas; e a ampliação do fundo eleitoral para as disputas municipais.

Nesta terça-feira, o relator do Orçamento de 2024, deputado Luiz Carlos Motta (PL-SP), apresentou o parecer em que prevê uma redução de 27% nos recursos previstos para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), vitrine do governo de Luiz Inácio Lula da Silva Lula. Com a iminência da derrota, o Palácio do Planalto passou a atuar para reverter a redução no valor destinado às obras.

O texto também prevê R$ 53 bilhões para emendas parlamentares, montante recorde, e estabelece ainda que o fundo eleitoral para as disputas municipais do ano que vem seja de R$ 4,9 bilhões. O valor é equivalente ao da eleição presidencial do ano passado e 96% maior que o de 2020, campanha mais recente de prefeitos e vereadores, já em números corrigidos pela inflação. Os planos do governo eram estipular R$ 939,3 milhões para bancar as despesas de campanha. O acréscimo virá das emendas de bancada estaduais.

O valor é apoiado pela cúpula da Câmara, o que inclui o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), e a maior parte dos líderes partidários. Também conta com o endosso da maioria dos caciques de partidos.

R$ 53 bi para parlamentares

Dos R$ 53 bilhões previstos pelo relator para os parlamentares destinarem aos seus redutos, R$ 16,6 bilhões são para as emendas de comissão, inicialmente previstas em R$ 11 bilhões. O texto define ainda R$ 11,3 bilhões às emendas de bancada e R$ 25 bilhões para as individuais. No PAC, o movimento foi o inverso: o governo planejava contar com R$ 61,3 bilhões, mas o relatório prevê R$ 44,3 bilhões.

Outro programa prioritário do governo, o Minha Casa Minha Vida teve os valores previstos reduzidos: eram R$ 13 bilhões e agora são R$ 8,9 bilhões.

Para entrar em vigor, o relatório ainda precisará ser votado pela Comissão Mista de Orçamento (CMO), o que está previsto para ocorrer hoje de manhã. Se passar, a Lei Orçamentária Anual (LOA) deve ir a plenário à tarde.

Após a divulgação do texto, o ministro da Casa Civil, Rui Costa, disse que integrantes do governo vão se reunir com Luiz Carlos Motta na tentativa de reverter o quadro. A expectativa é que o encontro aconteça nesta manhã, antes da sessão na CMO.

— Entendemos que vamos chegar numa mediação que preserve os investimentos. Sobre o PAC, a ideia é não fazer nenhum corte — disse Costa, acrescentando que a definição dos recursos foi “pactuada com governadores de todos os partidos”. — Temos acordo com o Congresso para dar prioridade para essa pauta.

Já Motta afirmou que caberá ao governo dizer de onde sairá o dinheiro:

— O governo vai dizer de onde faremos essa recomposição, que será parcial. Faremos uma reengenharia com os nossos consultores para saber de onde tirar esse valor.

O embate faz parte de uma discussão que vem se estendendo entre Executivo e o Congresso a respeito do controle sobre o Orçamento. Desde o início do ano, os parlamentares têm articulado diferentes iniciativas para tentar ter mais autonomia sobre os recursos da União.

Senado resiste

O deputado Carlos Zarattini (PT-SP), membro da CMO, disse que há acordo para a quantia de R$ 4,9 bilhões no chamado fundão.

— É decisão do Congresso. Vai ser retirado das emendas de bancada.

Já o presidente do PSD, Gilberto Kassab, avalia que o valor para financiar as disputas de 2024 precisa ser maior do que a quantidade usada para bancar as eleições gerais do ano passado.

— Cabe a quem está à frente, as lideranças (partidárias), ponderar que é uma eleição que tem muito mais candidatos nas grandes, pequenas e médias cidades. Não tem mais coligação proporcional, todos os partidos são obrigados a montar chapa de vereador.

Uma ala do Senado, que costuma ter menos participação nas eleições municipais do que os deputados, resiste ao valor e defende R$ 2,5 bilhões, que seria o total de 2020 acrescido da inflação.

Acompanhe tudo sobre:Orçamento federalPAC – Programa de Aceleração do Crescimento

Mais de Economia

EUA: Fed deve reduzir capital exigido a bancos em proposta regulatória

China anuncia investigação antidumping sobre produtos químicos importados da UE e dos EUA

Após pedido do governo, Zanin suspende liminar que reonera a folha de pagamentos por 60 dias

Haddad: governo anuncia na próxima semana medidas sobre impacto e compensação da desoneração

Mais na Exame