Economia

Comércio aumenta uso de pagamento sem contato contra coronavírus na Europa

União Europeia está incentivando as empresas de pagamento a aumentarem limites de pagamento sem contato

Pagamentos sem contato: empresas de meios de pagamento podem ajudar a limitar a propagação do vírus (Lino Mirgeler/picture alliance/Getty Images)

Pagamentos sem contato: empresas de meios de pagamento podem ajudar a limitar a propagação do vírus (Lino Mirgeler/picture alliance/Getty Images)

R

Reuters

Publicado em 25 de março de 2020 às 12h05.

Última atualização em 25 de março de 2020 às 12h06.

O órgão regulador bancário da União Europeia recomendou nesta quarta-feira o uso de pagamentos por sistemas sem contato, como mais uma estratégia para retardar o avanço da epidemia de Covid-19.

Seguindo o conselho da Organização Mundial da Saúde, a Autoridade Bancária Europeia (EBA) disse que as empresas de meios de pagamento podem ajudar a limitar a propagação do vírus ao disponibilizarem opções de compras que não precisam de troca de dinheiro físico.

A EBA disse que está incentivando as empresas de pagamento a aumentarem, sempre que possível, os limites de pagamento sem contato para 50 euros por transação, conforme permitido pelas regras da UE.

Na França, que está em paralisação, as padarias parisienses já estão pedindo aos clientes que usem formas de pagamento sem contato.

Para proteger os motoristas de ônibus, as autoridades da região de Paris também introduziram uma opção de pagamento de passagens por meio de mensagens de texto.

A EBA disse que permitirá que empresas de pagamento ficassem isentas da autenticação do cliente, o que significa mais de uma verificação da identidade do consumidor para evitar fraudes, até o limite de 50 euros.

A empresa de pagamentos Worldline disse à Reuters que estava ouvindo alguns comerciantes que dinheiro em espécie não era mais aceito e que pagamentos sem contato eram incentivados ou exigidos.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusEuropameios-de-pagamento

Mais de Economia

Lira: sem mudanças, projeto sobre motoristas de aplicativo dificilmente será aprovado na Câmara

Em novo atrito com Congresso, governo pede ao STF que declare inconstitucional desoneração da folha

Após veto do governo, cobrança de imposto em apostas pode variar de 1,3% a 283% no ano, diz estudo

Mais na Exame