Economia

China diz que não usará desvalorização cambial para sua vantagem

Declaração foi uma resposta a uma afirmação do presidente dos EUA, Donald Trump, de que o país é o "grande campeão" da manipulação cambial

Iuane: Trump tem frequentemente acusado a China de manter sua moeda artificialmente baixa contra o dólar para baratear exportações (Frederic J. Brown/AFP)

Iuane: Trump tem frequentemente acusado a China de manter sua moeda artificialmente baixa contra o dólar para baratear exportações (Frederic J. Brown/AFP)

R

Reuters

Publicado em 24 de fevereiro de 2017 às 08h30.

Pequim - A China afirmou nesta sexta-feira que não tem a intenção de usar a desvalorização cambial para sua vantagem no comércio, respondendo a uma afirmação do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que o país é o "grande campeão" da manipulação cambial.

Trump afirmou em uma entrevista à Reuters na quinta-feira que não voltou atrás em sua avaliação de que a China manipula o iuane, horas depois de seu novo secretário do Tesouro ter prometido uma abordagem mais metódica ao analisar as práticas cambiais de Pequim.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, disse esperar que os EUA possam ver de "forma detalhada e correta" a questão do câmbio.

"A China não tem intenção de buscar vantagens comerciais através de uma desvalorização intencional do iuane. Não há base para a contínua desvalorização do iuane", disse ele em entrevista à imprensa.

"Se você coloca o rótulo de 'grande campeã' para a China, então acho que a China é uma grande campeã. Mas somos grandes campeões do desenvolvimento econômico", acrescentou.

O Ministério das Relações Exteriores não interfere na política cambial, mas é o único departamento do governo que realiza entrevista diária com repórteres estrangeiros.

O banco central da China não respondeu a um pedido para que comentasse o caso.

Trump tem frequentemente acusado a China de manter sua moeda artificialmente baixa contra o dólar para tornar as exportações chinesas mais baratas, "roubando" empregos da indústria norte-americana.

Acompanhe tudo sobre:CâmbioChinaDonald TrumpEstados Unidos (EUA)IuaneMoedas

Mais de Economia

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Votação do Marco Regulatório do Hidrogênio deve ocorrer antes do recesso, diz Arnaldo Jardim

Opinião: Hidrogênio para a Neoindustrialização

Prévia do PIB: IBC-Br fica estável e fecha abril com variação de 0,01%, abaixo da expectativa

Mais na Exame