Economia

China abre caminho para FMI investir em seus mercados de capitais

No fim de fevereiro, país asiático autorizou mais de 200 investidores institucionais estrangeiros a entrar em seus mercados

China: país asiático têm aberto seu mercado de ações e bônus para investimentos externos (Getty/Getty Images)

China: país asiático têm aberto seu mercado de ações e bônus para investimentos externos (Getty/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 7 de março de 2019 às 06h17.

Pequim - O regulador de valores mobiliários da China aprovou o Fundo Monetário Internacional (FMI) como "investidor institucional estrangeiro qualificado em yuans", o que permitirá ao Fundo investir nos mercados de capitais do país, segundo comunicado divulgado nesta quinta-feira (7).

A cota estipulada ao FMI, no entanto, não foi especificada.

No fim de fevereiro, a China já havia autorizado mais de 200 investidores institucionais estrangeiros a entrar em seus mercados de ações e bônus por meio do sistema para investidores qualificados. No total, esses investidores têm permissão para aplicar até 660,47 bilhões de yuans (US$ 98,46 bilhões) nos mercados chineses. Fonte: Dow Jones Newswires.

Acompanhe tudo sobre:ChinaFMIInvestimentos de governo

Mais de Economia

Boletim Focus: mercado consolida desancoragem de expectativas de inflação e espera juros mais altos

Na China, PBoC mantém principais taxas de juros (LPRS) inalteradas

EUA: Fed deve reduzir capital exigido a bancos em proposta regulatória

China anuncia investigação antidumping sobre produtos químicos importados da UE e dos EUA

Mais na Exame