Acompanhe:

Campos Neto diz que "barra está ligeiramente mais alta" para acelerar o ritmo de corte de juros

Copom já sinalizou que deve fazer mais dois cortes de 0,5 ponto percentual na Selic nas próximas reuniões do colegiado

Modo escuro

Continua após a publicidade
Campos Neto: presidente do BC afirmou que está cedo para falar sobre um corte menor na taxa de juros (Edilson Rodrigues/Agência Senado/Flickr)

Campos Neto: presidente do BC afirmou que está cedo para falar sobre um corte menor na taxa de juros (Edilson Rodrigues/Agência Senado/Flickr)

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira, 28, que a "barra está ligeiramente mais alta" para acelerar o ritmo de corte de juros. O Comitê de Política Monetária (Copom) já sinalizou que deve fazer mais dois cortes de 0,5 ponto percentual na Selic nas próximas duas reuniões do colegiado e a taxa deve terminar o ano em 11,75% ao ano.

"Também está cedo para falar em um movimento de corte menor. Mas a gente vai avaliar isso melhor. A gente tem uma incerteza externa que será observada nas próximas semanas. Se houver uma mudança, isso será comunicado", disse.

No comunicado após a reunião do Copom, o BC julgou como pouco provável a aceleração do ritmo de queda da taxa, para 0,75 ponto percentual. "O Comitê julga como pouco provável uma intensificação adicional do ritmo de ajustes, já que isso exigiria surpresas positivas substanciais que elevassem ainda mais a confiança na dinâmica desinflacionária prospectiva. Tal confiança viria apenas com uma alteração significativa dos fundamentos da dinâmica da inflação, tais como uma reancoragem bem mais sólida das expectativas, uma abertura contundente do hiato do produto ou uma dinâmica substancialmente mais benigna do que a esperada da inflação de serviços", informou o BC.

Metas serão perseguidas

Campos Neto também afirmou que há uma discussão no mercado sobre a possibilidade de o BC apresentar um guidance sobre o tamanho do ciclo de corte, o que já foi feito anteriormente. Segundo ele, em um momento de incerteza, como agora, dar um guidance e depois trocar essa sinalização teria potencial para gerar um ruído que afetaria a credibilidade da política monetária.

A desancoragem das expectativas de inflação também está no radar do BC, afirmou Campos Neto. Segundo ele, a autoridade monetária não está confortável com o número estabilizado acima da meta.

"O BC persegue a meta [de inflação] sempre. O Brasil está indo em direção a meta, mas em nenhum momento quisemos dizer que estamos confortáveis com o número acima da meta", disse.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
'Não há data para o lançamento do Drex', revela Banco Central do Brasil
Future of Money

'Não há data para o lançamento do Drex', revela Banco Central do Brasil

Há 15 horas

Retorno à estabilidade de preços sem danos à economia não está garantido, diz membro do Fed
Economia

Retorno à estabilidade de preços sem danos à economia não está garantido, diz membro do Fed

Há 16 horas

Inflação de serviços mundial está muito acima da média e gera cautela de BCs, diz Campos Neto
Economia

Inflação de serviços mundial está muito acima da média e gera cautela de BCs, diz Campos Neto

Há 18 horas

Taxas de juros sobem com curva dos EUA antes de Campos Neto e reuniões do BC com economistas
Economia

Taxas de juros sobem com curva dos EUA antes de Campos Neto e reuniões do BC com economistas

Há 21 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais