Economia

Bruno Serra assumirá diretoria de Política Monetária do BC interinamente

Presidente Jair Bolsonaro enviou ao Senado o nome de Fabio Kanczuk para o posto; parlamentares precisam aprovar indicação para ele assumir o cargo

Banco Central: nome indicado por Bolsonaro deve ser aprovado pelo Senado (Ueslei Marcelino/Reuters)

Banco Central: nome indicado por Bolsonaro deve ser aprovado pelo Senado (Ueslei Marcelino/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 26 de setembro de 2019 às 17h53.

Última atualização em 26 de setembro de 2019 às 17h54.

Brasília — O diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Viana, permanecerá no cargo até segunda-feira, dia 30, conforme informou em entrevista de imprensa do Relatório Trimestral de Inflação.

Depois desse prazo, o atual diretor de Política Monetária do BC, Bruno Serra, acumulará interinamente seu posto, até que o Senado aprove o nome de Fabio Kanczuk, já indicado para o cargo.

Nesta quinta-feira o presidente Jair Bolsonaro encaminhou ao Senado o nome de Kanczuk para a diretoria de Política Econômica. A matéria está na Secretaria Geral da Mesa, aguardando autorização do presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para leitura e despacho na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

Ainda será necessária a designação de um senador para relatar a indicação e o agendamento, pela CAE, de um dia para sabatina de Kanczuk — processo indefinido até o momento.

O BC anunciou no início de agosto que Viana deixaria a função por razões pessoais, após ter integrado a diretoria da autoridade monetária por mais de três anos.

Kanczuk, por sua vez, atuava como representante do Brasil junto ao Banco Mundial. Antes disso, trabalhou como secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, no governo do então presidente Michel Temer. Ele é bacharel em engenharia pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e Ph.D. em Economia pela Universidade da Califórnia-Los Angeles.

Acompanhe tudo sobre:Banco CentralJair BolsonaroSenado

Mais de Economia

Opinião: Hidrogênio para a Neoindustrialização

Prévia do PIB: IBC-Br fica estável e fecha abril com variação de 0,01%, abaixo da expectativa

Inflação ao consumidor na China continua em alta

Petrobras prevê perfurar novos poços do pré-sal em 2025 para garantir futuro da bacia de Campos

Mais na Exame