Acompanhe:

Brasil fecha 63.624 vagas formais em março, diz Caged

A performance no mês frustrou expectativas que haviam sido divulgadas pelo próprio ministro do Trabalho de abertura de postos no mês passado

Modo escuro

Continua após a publicidade
Desemprego: no primeiro trimestre, foram fechadas 64.378 vagas, contra saldo negativo de 303.432 de igual etapa de 2016 (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Desemprego: no primeiro trimestre, foram fechadas 64.378 vagas, contra saldo negativo de 303.432 de igual etapa de 2016 (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

M
Marcela Ayres, da Reuters

Publicado em 20 de abril de 2017 às, 15h40.

Última atualização em 20 de abril de 2017 às, 16h16.

Brasília - O Brasil perdeu 63.624 vagas formais de trabalho em março, voltando ao vermelho após resultado positivo de fevereiro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado pelo Ministério do Trabalho nesta quinta-feira.

A performance no mês frustrou expectativas que haviam sido divulgadas pelo próprio ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, de abertura de postos no mês passado, apontando ainda que o varejo deveria ser beneficiado pela liberação do saque das contas inativas do FGTS.

Em março, no entanto, o comércio respondendo pelo maior fechamento de vagas dentre todos os setores, com menos 33.909 vagas. Também ficaram no vermelho os setores de serviços (-17.086 postos), construção civil (-9.059), indústria de transformação (-3.499) e agricultura (-3.471).

No primeiro trimestre, foram fechadas 64.378 vagas, contra saldo negativo de 303.432 de igual etapa de 2016. No acumulado em 12 meses, a perda líquida foi a 1,090 milhão de vagas.

Em fevereiro, o país havia registrado abertura líquida de pouco menos de 36 mil vagas formais de emprego depois de 22 meses seguidos de perdas, número divulgado pelo próprio presidente Michel Temer numa tentativa de ressaltar que a economia brasileira dava sinais de recuperação.

A forte deterioração do mercado de trabalho ocorre no rescaldo da profunda recessão econômica pela qual passou o Brasil nos últimos dois anos.

Ainda que o país comece a dar sinais de recuperação, a retomada das contratações pode demorar, uma vez que as empresas têm capacidade ociosa a preencher primeiro.

Segundo dados mais recentes divulgados pelo IBGE, a taxa de desemprego no Brasil subiu para novo recorde de 13,2 por cento no trimestre encerrado em fevereiro, reflexo do aumento da procura por vagas e do corte de postos.

Últimas Notícias

Ver mais
Economia e desemprego entre jovens na China são 'grande preocupação' para autoridades
Mundo

Economia e desemprego entre jovens na China são 'grande preocupação' para autoridades

Há 3 horas

Taxa de desemprego fica em 7,6% em janeiro, com crescimento da ocupação e rendimento
Economia

Taxa de desemprego fica em 7,6% em janeiro, com crescimento da ocupação e rendimento

Há 3 dias

E-consignado: todos os bancos terão acesso a novo sistema; entenda o que muda para o trabalhador
seloMinhas Finanças

E-consignado: todos os bancos terão acesso a novo sistema; entenda o que muda para o trabalhador

Há 4 dias

Ministério do Trabalho e Emprego suspende portaria sobre trabalho no comércio em feriados
Brasil

Ministério do Trabalho e Emprego suspende portaria sobre trabalho no comércio em feriados

Há 5 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais