Economia

Brasil é líder latino-americano em economia colaborativa

A economia colaborativa procura compartilhar bens e serviços através da internet e procura fomentar o empreendimento e a inovação


	Economia colaborativa: a iniciativa procura compartilhar bens e serviços através da internet e procura fomentar o empreendimento e a inovação
 (Robyn Beck/AFP)

Economia colaborativa: a iniciativa procura compartilhar bens e serviços através da internet e procura fomentar o empreendimento e a inovação (Robyn Beck/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de abril de 2016 às 11h24.

Madri - O Brasil é o líder da América Latina em iniciativas de economia colaborativa, em resposta a seu atual contexto econômico e à entrada de empresas internacionais que facilitam a confiança e o conhecimento dos clientes, segundo o relatório "Economia colaborativa na América Latina".

O estudo, elaborado pela escola de negócios IE Business School em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Ministério da Economia e Competitividade espanhol, foi apresentado nesta quinta-feira na Casa América de Madri.

Das iniciativas analisadas no relatório, 32% foram fundadas no Brasil, à frente da Argentina e México, com 13% em ambos casos, e Peru, com 11%.

A economia colaborativa procura compartilhar bens e serviços através da internet e procura fomentar o empreendimento e a inovação, segundo o representante do Escritório de Alianças Estratégicas do BID, Miguel Aldaz.

Os principais setores nos quais operam estas novas empresas são serviços para empresas (26%), transporte (24%) e aluguel de espaços físicos (19%).

De um total de 107 participantes, a maioria foi criada nos últimos cinco anos, por isso que, segundo o relatório, é um mercado muito jovem.

"A economia colaborativa ainda está em sua infância", mas o mercado seguirá crescendo graças a iniciativas locais e similares às que existem no âmbito internacional, manifestou o professor do IE Business School Ricardo Pérez.

79% dos indagados estão de acordo que o mercado crescerá rapidamente, enquanto 58% confirmam que entrarão iniciativas internacionais.

No entanto, apesar de observar grandes oportunidades, os participantes também encontram limites ao desenvolvimento da economia colaborativa.

A ameaça principal é o desconhecimento dos clientes do tipo de negócio, seguido pelo acesso ao financiamento e pela desconfiança dos usuários, embora a maioria dos indagados concorda que a tecnologia não é uma barreira para iniciativas.

Outro problema é a polêmica social, manifestou Pérez, como foi o caso das companhias criadas para compartilhar carro ou o aluguel temporário de casas.

O relatório destaca que na América Latina mais da metade dos projetos colaborativos, 64%, têm menos de dez participantes, enquanto só 7% empregam mais de 101 pessoas.

Os objetivos majoritários dos indagados são, segundo o relatório, criar novas formas de economia (69%), melhorar a qualidade de vida (53%) e recuperar a economia local (50%). 

Acompanhe tudo sobre:América LatinaDados de BrasilEconomia colaborativaEspanhaEuropaPiigs

Mais de Economia

Plano Real, 30 anos: Edmar Bacha e o papelzinho azul que deu origem à nova moeda

Plano Real, 30 anos: "URV, POR QUE ESSE PLANO É MELHOR QUE TODOS OS ANTERIORES?"

Plano Real, 30 anos: a reforma das reformas — e o futuro da moeda no Brasil

Mais na Exame