Acompanhe:

Bolsonaro diz que nova CPMF derrubou Cintra; Guedes defendia o imposto

Secretário da Receita teria sido afastado por defender um imposto sobre transações financeiras que o ministro da Economia também vem defendendo publicamente

Modo escuro

Continua após a publicidade
Guedes e Bolsonaro (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

Guedes e Bolsonaro (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

J
João Pedro Caleiro

Publicado em 11 de setembro de 2019 às, 18h24.

Última atualização em 11 de setembro de 2019 às, 20h14.

São Paulo - O presidente Jair Bolsonaro publicou nesta quarta-feira (11) em sua conta no Twitter que o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, caiu por causa da "tentativa de recriar CPMF" e divergências na reforma tributária.

No Facebook, ele disse ainda que "a PEC (sem CPMF) só deveria ter sido divulgada após o aval do presidente da República e do ministro da Economia".

 

Cintra, que fez parte da equipe de transição e, antes disso, já colaborava com Paulo Guedes na elaboração do programa de governo de Bolsonaro, defende a ideia de um imposto único sobre transações financeiras há pelo menos três décadas.

A sua saída vem um dia após seu adjunto, Marcelo Silva, ter detalhado em evento público em Brasília as alíquotas que o governo estaria pretendendo propor para o tributo e também a estratégia para encaminhar a reforma no Congresso.

No entanto, eles não eram os únicos membro do governo que apoiavam publicamente um novo imposto nos moldes da antiga CPMF.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vinha dizendo que o imposto é "horroroso", mas ainda assim melhor do que os encargos trabalhistas que poderia substituir.

"O Imposto sobre Transações Financeiras (ITF) é feio, é chato, mas arrecadou bem e por isso durou 13 anos", disse o ministro em entrevista para o Valor Econômico publicada na segunda-feira (09).

Em evento de EXAME no final de agosto, Guedes falou nos mesmos três pilares da reforma tributária que vinham sendo expostos por Cintra, sempre destacando que a escolha final era do Congresso.

Sobre o imposto de transações financeiras, reconheceu que a ideia é controversa, que iria “ter um barulhinho” e que ele está acontecendo desde a campanha.

Em 19 de setembro de 2018, a Folha de São Paulo divulgou que Guedes, então coordenador econômico da campanha de Bolsonaro, havia mencionado a ideia em uma reunião privada com investidores em São Paulo.

O presidente negou a possibilidade de forma veemente na época e em várias ocasiões até o início deste mês, quando mudou o tom em entrevista para a Folha de São Paulo no último dia 03:

"Já falei para o Guedes: para ter nova CPMF, tem que ter uma compensação para as pessoas. Se não, ele vai tomar porrada até de mim", disse Bolsonaro.

Últimas Notícias

Ver mais
No primeiro mês de Milei, atividade econômica na Argentina tem maior contração em 4 anos
Economia

No primeiro mês de Milei, atividade econômica na Argentina tem maior contração em 4 anos

Há 14 horas

Haddad comandará G20 e debaterá dívida global, crescimento sustentável e tributação internacional
Economia

Haddad comandará G20 e debaterá dívida global, crescimento sustentável e tributação internacional

Há 15 horas

Galípolo: sem alteração de meta fiscal ou se mudança for pequena mercado tende a reagir bem
Economia

Galípolo: sem alteração de meta fiscal ou se mudança for pequena mercado tende a reagir bem

Há 19 horas

Haddad lidera primeira reunião do G20 com ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais
Economia

Haddad lidera primeira reunião do G20 com ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais

Há 19 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais