Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Black Friday: 86% acham que preços aumentaram por causa da inflação

Pesquisa EXAME/IDEIA mostra que a percepção da população é de que os preços na data promocional estão mais altos em 2021 do que no ano passado

A Black Friday deste ano promete bater recordes. Segundo levantamento da Associação Brasileira do Comércio Eletrônico, somente nas vendas online a expectativa é movimentar 6,4 bilhões de reais em 24 horas na próxima sexta-feira, 26, um crescimento de 25% em relação a 2020. Apesar do volume recorde de faturamento, 86% dos brasileiros acham que os preços estão mais caros em 2021 que no ano passado - e a culpa é da inflação.

O dado é da mais recente pesquisa EXAME/IDEIA, projeto que une EXAME e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. A sondagem ouviu 1.277 pessoas entre os dias 18 e 22 de novembro. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações tanto para fixos residenciais quanto para celulares. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. Clique aqui para ler o relatório completo.

 (Arte/Exame)

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, está em 10,67% no acumulado dos últimos 12 meses até outubro, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Somente no mês passado, houve uma alta de 1,25% em relação a setembro, a maior variação para o mês desde 2002.

A inflação deixa uma margem menor de dinheiro para que os mais pobres consigam comprar durante a Black Friday. Entre os entrevistados, 66% das classes A e B pretendem adquirir algum produto durante o dia de descontos. Já entre as classes D e E este número cai para 26%. O dado geral mostra que 57% pretendem fazer alguma compra.

Maurício Moura, fundador do IDEIA, sinaliza que a sondagem traz uma correlação entre a inflação e o desejo de consumo dos brasileiros. “Essa pesquisa traz um elemento importante: as pessoas já estão refletindo na Black Friday a percepção de inflação. Isso se mostra tanto naqueles que querem aproveitar ofertas como nos que vão antecipar compras. Em ambos casos, há a expectativa de que os preços vão aumentar”, diz.

Neste sentimento de aproveitar a época para garantir bons descontos, 75% dizem que vão usar a Black Friday para adiantar presentes de Natal. Entre os produtos que os brasileiros acham que mais aumentaram de preço neste ano, os alimentos aparecem com 60% das menções, seguido de eletrodomésticos (29%) e celulares (24%).

 (Arte/Exame)

A percepção de aumento no preço dos alimentos já havia sido capturada pela pesquisa EXAME/IDEIA. Em pesquisa realizada no fim de outubro, a inflação foi mais sentida pelos brasileiros nos combustíveis (43%) e nos alimentos e bebidas (40%). Mas quando se coloca uma lupa por classe social, as proporções mudam. Nas classes D e E, a subida dos alimentos foi mais sentida por 56%, enquanto que para 48% das classes A e B, foram os combustíveis que tiveram a maior alta.

No ano, os alimentos acumulam alta de 12,47%, segundo o IBGE. Nos acumulado dos últimos 12 meses, até setembro, alguns produtos da cesta básica subiram acima da inflação geral. Só o arroz teve um aumento de 30%, e a carne vermelha 17%, de acordo com o cálculo do Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também