Economia

Biden nomeará ex-presidente do Fed Janet Yellen como secretária do Tesouro

Se Yellen for confirmada pelo Senado, ela se tornará a primeira mulher a chefiar o Departamento do Tesouro

Janet Yellen: Biden nomeará a ex-presidente do Federal Reserve como secretária do Tesouro (Jonathan Ernst/Reuters)

Janet Yellen: Biden nomeará a ex-presidente do Federal Reserve como secretária do Tesouro (Jonathan Ernst/Reuters)

A

AFP

Publicado em 23 de novembro de 2020 às 18h51.

Última atualização em 23 de novembro de 2020 às 19h00.

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, nomeará a ex-presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, como secretária do Tesouro, disse nesta segunda-feira, 23, à AFP uma fonte financeira próxima às decisões do novo governo.

Se Yellen for confirmada pelo Senado, ela se tornará a primeira mulher a chefiar o Departamento do Tesouro, cargo que assumirá em meio à profunda crise que abalou a maior economia do mundo devido ao coronavírus.

"Yellen vai ser a próxima secretária do Tesouro", afirmou a fonte à AFP, confirmando uma informação publicada pelo The Wall Street Journal.

Yellen já havia quebrado uma barreira quando o ex-presidente democrata Barack Obama a escolheu para chefiar o Federal Reserve (Banco central americano) em 2014, posição da qual foi deposta por Donald Trump quatro anos depois.

No Fed, Yellen era vista como mais inclinada a políticas brandas, como manter as taxas de juro baixas para proteger o emprego.

Quando substituir Steven Mnuchin no Departamento do Tesouro, Yellen terá de enfrentar negociações que estão bloqueadas há meses para a realização de um novo pacote de estímulo à economia, caso os legisladores não ajam antes da posse de Biden, em 20 de janeiro.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Fed – Federal Reserve SystemJoe Biden

Mais de Economia

PEC promove "privatização" do BC e pode ter custo fiscal ao país, dizem especialistas

Alckmin destaca compromisso do governo com o arcabouço fiscal

Haddad diz que Brasil é uma “encrenca”, mas que tem potencial de ser “grande”

Brasil está pronto para acordo Mercosul e União Europeia, diz Lula

Mais na Exame