Economia

BCE rebaixa projeções para inflação na zona do euro e prevê crescimento fraco em 2024

Em comunicado, o BCE projeta que o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) deve subir 5,4% em 2023

BCE: Sobre atividade econômica, o BCE projeta crescimento "contido" no curto prazo (Kai Pfaffenbach/Reuters)

BCE: Sobre atividade econômica, o BCE projeta crescimento "contido" no curto prazo (Kai Pfaffenbach/Reuters)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 14 de dezembro de 2023 às 12h10.

Última atualização em 14 de dezembro de 2023 às 12h18.

A equipe técnica do Banco Central Europeu (BCE) rebaixou projeções para inflação na zona do euro, em comparação ao levantamento de setembro, e prevê crescimento fraco em 2024, antes de acelerar em 2025 e 2026.

Em comunicado, o BCE projeta que o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) deve subir 5,4% em 2023, 2 7% em 2024, 2,5% em 2025 e 1,9% em 2026, o que representa uma redução em relação às estimativas anteriores de 5,6% e 3,2% para 2023 e 2024. O banco central nota que a inflação deve desacelerar gradualmente ao longo do próximo ano.

Já o núcleo da inflação também desacelerou, mas segue impulsionado por pressões de preços domésticas por conta de crescimento robusto nos custos de mão de obra, afirma o BCE. A equipe do banco central projeta que o núcleo da inflação subirá, em média, 5% em 2023, 2,7% em 2024, 2,3% em 2025 e 2,1% em 2026. Em setembro, o BCE previa altas de 5,1% em 2023, 2,9% em 2024 e 2,2% em 2025.

Sobre atividade econômica, o BCE projeta crescimento "contido" no curto prazo, prevendo alta do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,6% em 2023 e 0,8% em 2024, antes de acelerar para 1,5% em 2025 e 2026. Em setembro, a projeção era de crescimento de 0,7% em 2023, 1,0% em 2024 e 1,5% em 2025.

Acompanhe tudo sobre:BCEJurosCrescimento econômicoeconomia-internacional

Mais de Economia

Quer investir nos EUA? Saiba como escolher ações internacionais

Reforma Tributária: deputados pretendem apresentar relatório até final de junho

Após concluir missão no Brasil, FMI diz ser prudente BC ter flexibilidade para atuar

IPCA-15 de maio acelera e fica em 0,44%; inflação acumulada de 12 meses vai a 3,70%

Mais na Exame