A página inicial está de cara nova Experimentar close button

BC: Balanço de riscos para inflação mostra sinais favoráveis

Segundo o diretor de Política Econômica do banco, Carlos Hamilton Araújo, a melhora ocorre apesar de as projeções para a inflação terem subido

Brasília - O balanço de riscos para a inflação mostra sinais mais favoráveis, avaliou hoje (29) o diretor de Política Econômica do Banco Central (BC), Carlos Hamilton Araújo. Segundo ele, essa melhora ocorre apesar de as projeções para a inflação terem subido. A estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) aumentou 0,2 ponto percentual, para 5,8%, de acordo com o Relatório Trimestral de Inflação, divulgado hoje. A projeção para 2012 passou de 4,6%, no relatório anterior (divulgado em março), para 4,8%.
“Quando o balanço de risco está favorável, existe probabilidade maior de as projeções de inflação melhorarem do que piorarem”, explicou o diretor.

No cenário interno, o diretor destacou que o mercado de trabalho no Brasil está aquecido. “As taxas de desemprego se encontram em patamares baixos e os ganhos salariais são elevados”.

No relatório, o BC avalia como “um risco muito importante para a dinâmica dos preços ao consumidor” a perspectiva de aumento dos salários dos trabalhadores. Para o Banco Central, em ambiente de demanda por produtos e serviços aquecida, aumentos de salários tendem a ser repassados aos preços ao consumidor.

Sobre o cenário internacional, o diretor destacou que “há incertezas quando ao ritmo de recuperação da economia global”. “No cenário internacional, a única certeza é a de que há muita incerteza”, disse o diretor.

Ele destacou ainda que “os mercados financeiros têm se mostrado voláteis”. “A aversão a risco tem crescido. Isso repercute nos preços no Brasil. Hoje houve a aprovação pelo Parlamento grego do pacote proposto pelo governo. Sem dúvida, a aprovação do pacote foi um desenvolvimento positivo, mas existem outros problemas que vão emergir ao longo dos próximos meses”.

Hoje, o Parlamento da Grécia aprovou o pacote de medidas de austeridade propostas pelo governo, como contrapartida exigida pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pela União Europeia (UE) para liberar a última parcela de um empréstimo de 110 bilhões de euros ao país.

Essa parcela é de de 12 bilhões de euros (R$ 27 bilhões). A Grécia vive uma grave crise devido à pública. Segundo informações da BBC Brasil, as medidas de austeridade, mesmo aprovadas, podem voltar a ser contestadas nesta quinta-feira (30), quando os parlamentares discutirão outra lei que detalha como o pacote será implementado.

Sobre os preços das commodities [produtos básicos com cotação internacional], o diretor disse que ainda persistem incertezas, embora haja sinais de moderação nos preços. “Há preocupação com a crise no Oriente Médio, ainda não foi resolvida.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também