Acompanhe:

Banco Central vai intervir no câmbio pela 1ª vez no governo Lula, após dólar ir a R$ 5,059

Dólar está pressionado pelo aquecimento da atividade econômica dos EUA

Modo escuro

Continua após a publicidade
BC: Nos contratos de swap cambial, o Banco Central realiza uma operação que corresponde a uma venda de dólares no mercado futuro, assegurando que haja oferta para atender ao aumento da demanda (Rafa Neddermeyer/Agência Brasil)

BC: Nos contratos de swap cambial, o Banco Central realiza uma operação que corresponde a uma venda de dólares no mercado futuro, assegurando que haja oferta para atender ao aumento da demanda (Rafa Neddermeyer/Agência Brasil)

O Banco Central do Brasil vai intervir no câmbio pela primeira vez durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva nesta terça-feira. Nesta segunda-feira, a moeda americana fechou em R$ 5,059, a maior cotação dos últimos seis meses, devido a incertezas sobre a economia americana.

A autoridade monetária fará um leilão adicional de até 20 mil contratos de swap cambial, o equivalente a US$ 1 bilhão. No ano passado, o BC não colocou dinheiro novo no mercado, apenas promoveu a rolagem de linhas e do estoque de swaps cambiais.

Nos contratos de swap cambial, o Banco Central realiza uma operação que corresponde a uma venda de dólares no mercado futuro, assegurando que haja oferta para atender ao aumento da demanda pela moeda — que faz a cotação subir. Esse instrumento é usado pelo BC para evitar uma disfunção no mercado do câmbio.

Em nota, o BC informou que a medida será tomada para atender a uma demanda gerada pelo resgate do título NTN-A3, atrelado ao câmbio, previsto para 15 de abril.

A NTN-A3 é um título público que nos últimos anos não tem sido negociado pelo Tesouro Nacional. No entanto, há no mercado instituições que mantêm o papel em suas carteiras.

"As condições para operacionalização do leilão serão divulgadas por intermédio de comunicado do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab)", diz um trecho da nota.

O que acontece se o dólar subir muito?

A alta do dólar tem impacto na inflação — preocupação central do BC. Isso ocorre, porque diversos setores, com destaque para o agronegócio, têm custos dolarizados. Um deles é a importação de insumos e fertilizantes.

O dólar subiu em todo o planeta, após a divulgação de que a atividade industrial nos Estados Unidos ficou acima de 50 pontos pela primeira vez desde setembro de 2022. A barreira de 50 pontos separa expansão e encolhimento.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Dólar avança com tensão geopolítica e encerra a semana com ganhos de 2,11%
seloMercados

Dólar avança com tensão geopolítica e encerra a semana com ganhos de 2,11%

Há 8 horas

Dólar bate R$ 5,14 em meio ao pessimismo do cenário externo
seloMercados

Dólar bate R$ 5,14 em meio ao pessimismo do cenário externo

Há 14 horas

Assunto da sucessão do BC não passa pela diretoria colegiada, afirma Paulo Picchetti
Economia

Assunto da sucessão do BC não passa pela diretoria colegiada, afirma Paulo Picchetti

Há 18 horas

Dólar hoje: moeda fecha estável nesta quinta-feira
seloMercados

Dólar hoje: moeda fecha estável nesta quinta-feira

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais