Acompanhe:

Auxílio emergencial segurou a queda do PIB de 2020 em pelo menos 4%, diz estudo

Mesmo com um valor menor, prorrogação do benefício em 2021 ainda pode ter um efeito positivo na produtividade; redução da pobreza, entretanto, deve desacelerar

Modo escuro

Continua após a publicidade
Pessoas fazem fila para buscar ajuda com pedidos de auxílio-desemprego em centro de carreira de Kentucky (Bryan Woolston/Reuters)

Pessoas fazem fila para buscar ajuda com pedidos de auxílio-desemprego em centro de carreira de Kentucky (Bryan Woolston/Reuters)

G
Gabriel Justo

Publicado em 20 de fevereiro de 2021 às, 07h00.

Última atualização em 20 de fevereiro de 2021 às, 11h25.

Mesmo após o ano mais turbulento da história, as projeções do mercado indicam que os números oficiais do PIB de 2020, esperados no início de março, devem indicar uma retração de 4,5% — uma queda significativa, mas ainda distante do rombo registrado em outras economias do continente, como México e Argentina, que registraram PIB negativo na casa dos dois dígitos.

Segundo os pesquisadores do recém-lançado Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades da FEA-USP (Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo), a diferença expressiva entre os resultados do Brasil e dos seus pares latino-americanos se deve, principalmente, aos R$300 bilhões de reais que o governo federal gastou com o auxílio emergencial. Em um cenário sem o benefício, diz o estudo, a queda do PIB brasileiro em 2020 seria de pelo menos 8,4% — 4 pontos percentuais a mais do que o esperado pelo mercado. No pior cenário sem o auxílio, a queda poderia chegar a 14,8%.

Equivalente a 4% do PIB, os gastos com o auxílio emergencial seguraram o consumo de muitas famílias que, justamente pela necessidade, tendem a usar todo o dinheiro para a garantir própria subsistência — fazendo com que o dinheiro circule mais na economia. Essa dinâmica produziu um efeito estabilizador nas receitas do governo, segurando a queda do PIB e, consequentemente, ajudando no equilíbrio da relação dívida X PIB. Ou seja: ainda que os gastos com o auxílio emergencial tenham aumentado a dívida brasileira, eles também tiveram um impacto relevante na manutenção do consumo e da produtividade.

"É para essa relação que devemos olhar, e não só para o crescimento da dívida. Justamente por ser uma relação, esse indicador leva em conta os gastos, mas também da receita e do PIB", explica a economista Marina Sanches, que assina o estudo com os colegas Matias Cardomingo e Laura Carvalho.

Em 2020, tivemos uma dívida líquida x PIB em torno de 65%. No cenário sem o auxílio, estimamos que esse número cresceria pelo menos mais três pontos percentuais, chegando em 68,6% - algo bem próximo das projeções do Tesouro que, por volta do meio do ano, eram de 70%. Na nossa estimativa, pelo 36% do gasto com o auxílio foi compensado pela receita que deixou de cair justamente por conta dessa transferência de renda.

Marina Sanches, economista e pesquisadora do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades da FEA/USP

O que explica essa compensação na queda do PIB, conta Sanches, é o alto efeito multiplicador do auxílio emergencial - ou, em outras palavras, o potencial de retorno do investimento do governo. Para investimento em obras públicas, por exemplo, o efeito multiplicador é de R$3 - o que significa que, a cada real investido, o PIB aumenta em R$3.

Cada gasto do governo tem o seu próprio efeito multiplicador, que varia de acordo com o perfil do público e sua propensão a gastar ou guardar o dinheiro que recebe. Aposentados, por exemplo, podem fazer algum tipo de poupança, enquanto os beneficiários do auxílio emergencial tendem a usar todo o dinheiro para a própria subsistência. Assim, o dinheiro circula mais na economia, aumentando o efeito multiplicador do investimento.

"Em vista desse efeito estabilizador que a renda básica tem na economia, o gasto social deve ser visto como um pilar de crescimento econômico tão importante quanto os investimentos, especialmente nesse momento inédito de crise", diz a economista, que defende a revisão do teto de gastos atrelada a uma reforma tributária que alinhe o sistema brasileiro ao do resto do mundo, permitindo a ampliação dos gastos sociais.

Precisamos repensar nosso regime fiscal levando em conta também o lado da tributação, e não só do lado do corte de gastos. Se lá atrás, na Constituição de 88, nós escolhemos ter um estado de bem-estar social, nós temos que ter também discussões sobre como construir condições para isso. A tributação precisa ser discutida pelo menos para que se alinhe com os outros países, sendo mais progressiva. Não é nada radical, é só alinhar com o que é praticado internacionalmente. Temos que tirar o peso dos impostos sobre o consumo, que tributa o rico e o pobre da mesma maneira, o que amplia as desigualdades.

Marina Sanches, economista e pesquisadora do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades da FEA/USP

A economista ressalta não ser contra os cortes de gastos públicos, mas defende que eles aconteçam observando o efeito multiplicador de cada um dos gastos. Aqueles que tem um efeito multiplicador mais alto, como o auxílio emergencial, devem prevalecer sobre outras despesas.

"Cortar gastos pode ter até um efeito contrário na relação dívida X PIB. Se o corte acontece em gastos com alto efeito multiplicador, como o auxílio emergencial, há um impacto negativo no PIB justamente porque, ao ganhar outro destino, aquele montante pode circular menos na economia", explica Sanches.

PRORROGAÇÃO DO AUXÍLIO X POBREZA

Em meio às discussões em Brasília sobre o formato e o alcance do retorno do auxílio emergencial em 2021, a nota do MADE cita um estudo do economista Daniel Duque, que analisou as diferenças no impacto do auxílio emergencial de R$600, pago entre abril e agosto, e também do que eles chamam de "auxílio residual", de R$300, pago entre setembro e dezembro. Mesmo com um valor menor, o auxílio ainda tem efeitos relevantes do lado macroeconômico, na estabilização da renda. Mas a redução do valor tem repercussões negativas nos números da pobreza no país.

Em agosto, logo após o último pagamento dos R$600, a taxa de pobreza atingiu patamares mínimos históricos no país: a pobreza extrema foi de 2,3%, enquanto a pobreza foi de 18,4%. Em novembro, quando o auxílio já tinha diminuído, essas taxas subiram para 5% e 23,9%, respectivamente. Em um cenário sem auxílio, o estudo de Duque projetou que esse números poderiam chegar a 15% e 30%, respectivamente.

"Com o auxílio menor, a pobreza e a desigualdade aumentaram. Isso é preocupante porque estamos em um cenário totalmente atípico, em que dependemos da vacinação para voltar a um ritmo econômico pelo menos semelhante ao que tínhamos no pré-pandemia", destaca Marina. "Dadas essas projeções, podemos esperar um aumento significativo nas taxas de pobreza enquanto o auxílio não for reestabelecido ou a vacinação avance de maneira satisfatória."

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Últimas Notícias

Ver mais
Extrema pobreza atinge menor nível da História em 2023, estima FGV
Economia

Extrema pobreza atinge menor nível da História em 2023, estima FGV

Há um dia

Abraham Loria: Projeto de regulamentação da tributária está praticamente pronto
Economia

Abraham Loria: Projeto de regulamentação da tributária está praticamente pronto

Há 2 dias

Técnicos da Câmara preveem déficit zero das contas públicas apenas em 2028
Economia

Técnicos da Câmara preveem déficit zero das contas públicas apenas em 2028

Há 2 dias

FMI piora projeção fiscal para o Brasil este ano
Economia

FMI piora projeção fiscal para o Brasil este ano

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais