Austrália entra em recessão após 30 anos de crescimento

O governo desbloqueou bilhões de dólares para atenuar o impacto econômico da pandemia, mas a economia foi prejudicada pelo confinamento dos últimos meses

A Austrália entrou em sua primeira recessão desde 1991 com a contração da economia em 7% durante o segundo semestre de 2020 devido à pandemia da covid-19, de acordo com os números oficiais publicados nesta quarta-feira (2).

Trata-se da contração mais rápida registrada na história do país, que atravessava 30 anos de crescimento contínuo e sequer interrompido pela crise financeira mundial de 2008, de acordo com o Escritório Australiano de Estatísticas (ABS).

Michael Smedes, da ABS, explicou que a pandemia e as medidas adotadas para combater o coronavírus provocaram a contração “sem precedentes”.

Um país entra em recessão quando acumula dois trimestres negativos consecutivos. A economia australiana havia sofrido uma queda de 0,3% no primeiro trimestre.

O governo desbloqueou bilhões de dólares para atenuar o impacto econômico da pandemia, mas a economia se viu igualmente afetada pelo confinamento relativo dos últimos meses.

Um confinamento muito mais rigoroso está agora em vigor para cinco milhões de habitantes de Melbourne, onde acontece uma segunda onda de contágios que certamente prejudicará ainda mais o rendimento econômico do país no trimestre em curso.

Desde o início da pandemia, a Austrália registrou 26.000 casos e 663 óbitos por covid-19.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.