Economia

Após retomada forte, América Latina perde fôlego, afirma diretor do FMI

Nas estimativas do FMI, o crescimento da América Latina deve desacelerar de 2,6%, previsto para 2023, para 1,9% no ano que vem

O diretor do FMI disse ainda que a situação argentina, que tem eleições presidenciais no domingo, requer políticas fortes e críveis (Freepik/Divulgação)

O diretor do FMI disse ainda que a situação argentina, que tem eleições presidenciais no domingo, requer políticas fortes e críveis (Freepik/Divulgação)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 13 de novembro de 2023 às 18h30.

O diretor do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), Rodrigo Valdés, salientou nesta segunda-feira, 13, que a economia latino-americana perdeu fôlego após a recuperação forte do choque da pandemia. Ele observou que as economias da região passaram por um aperto monetário "decidido e apropriado".

Nas estimativas do FMI, o crescimento da América Latina deve desacelerar de 2,6%, previsto para 2023, para 1,9% no ano que vem. No Brasil, o crescimento deve ser 3,1% em 2023 e 1,5% em 2024, prevê o fundo.

Em apresentação durante evento realizado na Fundação Getulio Vargas (FGV), Valdés considerou que os impactos das adversidades climáticas causadas pelo El Niño tendem a variar entre os países sendo que para o Brasil deve ser neutro. Os riscos para as projeções do FMI estão mais equilibrados no momento, mas ainda assim o viés é de baixa.

Argentina

O diretor do FMI disse ainda que a situação argentina, que tem eleições presidenciais no domingo, requer políticas fortes e críveis. O quadro argentino, de inflação alta e reservas muito baixas, "requer muitos esforços" de ajuste. "Não será fácil para ninguém ali", notou, em aparente referência ao próximo governo, a ser escolhido neste domingo. "Mas claramente a Argentina tem muito a ganhar com políticas fortes."

O representante do FMI não tratou de Argentina em sua apresentação durante evento realizado na FGV, mas foi questionado sobre o país durante as questões. Segundo ele, é do interesse do fundo e dos demais países que o FMI continue a trabalhar com os argentinos. "Precisamos de uma série de políticas críveis, fortes", comentou.

Ele disse que as economias da América Latina estão perdendo tração após a recuperação do choque da pandemia, mas julgou que os bancos centrais da região agiram corretamente para conter a escalada inflacionária, o que permite agora um relaxamento das políticas monetárias. "Não temos qualquer crítica aos bancos centrais latinos no momento", assinalou Valdés.

Para o diretor do FMI, o comércio da região, porém, cresce menos do que o seu potencial, dadas as barreiras alfandegárias, isolamento dos países e deficiências em infraestrutura. Nesse sentido, ele pontuou que uma maior cooperação entre as economias poderia destravar o comércio internacional e intrarregional.

Acompanhe tudo sobre:FMIAmérica LatinaFGV - Fundação Getúlio Vargas

Mais de Economia

Cade dá aval e Petrobras cancela privatização de TBG e 5 refinarias

EUA podem levar mais tempo do que outros países para voltar à meta de 2%, diz membro do Fed

'Indústria brasileira tem que levantar a cabeça e se defender', afirma Mercadante

Dolarização na Argentina: Milei apresenta como pretende transformar a economia do país

Mais na Exame