Economia
Acompanhe:

Analistas estimam que crescimento econômico da China em 2022 foi o menor em 40 anos

Dez especialistas consultados pela AFP antecipam um crescimento de 2,7% do PIB em média na segunda maior economia do mundo, um número bem abaixo dos 8% registrados em 2021

Mulheres trabalham na linha de montagem de uma fábrica de alto-falantes na cidade de Fuyang, leste da China. (AFP/AFP)

Mulheres trabalham na linha de montagem de uma fábrica de alto-falantes na cidade de Fuyang, leste da China. (AFP/AFP)

A
AFP

15 de janeiro de 2023, 14h06

A China deve ter tido o menor crescimento econômico em quarenta anos em 2022, após a crise da pandemia de covid-19 e do setor imobiliário, disseram analistas às vésperas do anúncio do Produto Interno Bruto (PIB) do país, na próxima terça-feira (17).

Dez especialistas consultados pela AFP antecipam um crescimento de 2,7% do PIB em média na segunda maior economia do mundo, um número bem abaixo dos 8% registrados em 2021.

Poderia ser também o índice mais baixo desde a contração de 1,6% em 1976, ano da morte do ex-presidente Mao Tsé-Tung, sobretudo considerando a pandemia de covid-19 que teve a cidade de Wuhan como epicentro no final de 2019.

Os confinamentos, quarentenas e testes obrigatórios em massa levaram ao fechamento de indústrias e centros empresariais em grandes cidades como Zhengzhou, sede da maior fábrica de iPhone do mundo, e repercutiram na cadeia global de suprimentos.

Pequim retirou as restrições sanitárias no início de dezembro, após três anos de uma política extremamente rigorosa de contenção ao vírus.

Crescimento lento

Como consequência, a China está se recuperando de um aumento acentuado nos casos de coronavírus que sobrecarregou hospitais.
Esta situação pode refletir no resultado do crescimento no quarto trimestre, que também será anunciado na terça junto com outros índices, como o de produção industrial e de emprego.

"O quarto trimestre é relativamente difícil", disse o economista Zhang Ming, da Academia Chinesa de Ciências Sociais de Pequim, acrescentando que "não importa se é pela medida do consumo ou dos investimentos, o crescimento está desacelerando".

Em dezembro, as exportações chinesas tiveram a sua maior queda desde o início da pandemia, com uma contração de 9,9%, enquanto o consumo atingiu valores negativos em novembro e o investimento no país também desacelerou.

"Esses três carros-chefes da economia chinesa enfrentam a pressão da baixa expectativa de crescimento no quarto trimestre", indicou Zhang.

Teeuwe Mevissen, analista da multinacional holandesa Rabobank, observou que este período "quase certamente mostrará um declínio devido à rápida disseminação da covid".

"Isto afetará negativamente as condições de demanda e oferta", disse.

Os problemas no setor imobiliário também têm um importante impacto neste índice, sustentou o analista.

Este setor, que junto com o da construção civil representa mais de um quarto do PIB da China, sofreu desde que Pequim conteve o excesso de crédito e a especulação em 2020.

Estas medidas regulatórias marcaram o início das dificuldades financeiras da Evergrande, ex-líder do ramo imobiliário chinês, que agora acumula uma enorme dívida.

A venda de propriedades na China caiu em várias cidades e muitas incorporadoras enfrentam problemas para se manterem no mercado. Mas o governo parece adotar uma postura mais conciliatória para tentar reacender este setor primordial.

Em novembro, foram anunciadas uma série de medidas para promover o desenvolvimento "estável e saudável" com o fornecimento de crédito para incorporadoras endividadas e assistência para pessoas que forem comprar imóveis.

Profissionais de saúde esperam para coletar amostras de covid-19 dos passageiros que chegam na estação ferroviária de Xangai. (AFP/AFP)

"O pior já passou"

Alguns analistas veem as medidas com otimismo.

"A fase de transição poderia ser difícil porque o país pode ter que enfrentar um pico de infecções que pressionará o setor da saúde", alertou o analista do HSBC, Jing Liu.

O Banco Mundial previu que o PIB da China crescerá 4,3% em 2023. Em contrapartida, Larry Yang acredita que o próximo ano será o de "retorno à segurança".

Ele disse que espera que o crescimento acelere trimestre a trimestre em 2023 para fechar com uma expansão de 5% no ano. Outros analistas ouvidos pela AFP fizeram a mesma projeção.

"O pior período para a economia já passou", considerou Yang.