Economia

Alemanha e Estônia: únicos países do euro a reduzir dívida

No primeiro trimestre deste ano, nenhum outro país da zona do euro reduziu a dívida pública


	Estônia: 17º país da União Europeia reduziu sua dívida para 10% do PIB, ante 10,1%, a menor proporção de dívida na Europa
 (Jamie McDonald/Getty Images)

Estônia: 17º país da União Europeia reduziu sua dívida para 10% do PIB, ante 10,1%, a menor proporção de dívida na Europa (Jamie McDonald/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 22 de julho de 2013 às 10h32.

Bruxelas - A Alemanha, maior economia da Europa, e a pequena Estônia foram os únicos países da zona do euro que reduziram sua dívida pública no primeiro trimestre deste ano.

O bloco está em sua recessão mais longa desde a criação da moeda única em 1999, com cinco membros recebendo auxílio internacional, uma taxa de desemprego em máxima recorde e perspectivas frágeis para uma recuperação liderada por exportações mais à frente neste ano.

A Alemanha, que terá eleições gerais em setembro, reduziu sua dívida pública para 81,2 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em três meses até março, ante 81,9 por cento no trimestre final de 2012, mostraram nesta segunda-feira dados da agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat.

A Estônia, que adotou o euro em 2011 como o 17º país da União Europeia, reduziu sua dívida para 10 por cento do PIB, ante 10,1 por cento --a menor proporção de dívida na Europa.

Para ajudar o crescimento econômico, os governos europeus decidiram desacelerar o ritmo do aperto fiscal, provocado em 2010 pelo rápido aumento dos custos de empréstimos à medida que os investidores se preocupavam que dívidas enormes tinham diminuído suas perspectivas de conseguir o dinheiro de volta.

Há atualmente cinco membros da zona do euro com proporção da dívida em relação ao PIB maior do que 100 por cento: as maiores delas da Grécia, com 160,5 por cento, e da Itália, com proporção de dívida de 130,3 por cento.

Acompanhe tudo sobre:AlemanhaDívida públicaEstôniaEuropaPaíses ricosZona do Euro

Mais de Economia

FGV terá indicadores para medir riscos de corrupção em empresas de saúde

“Governo está metendo a mão, querendo taxar tudo e com juros desse jeito”, critica Rubens Ometto

Fim de compensação de PIS/Cofins pode criar calote de R$ 29,2 bi, semelhante ao dos precatórios

Dirigente do banco central europeu fala que corte foi decisão essencial

Mais na Exame