Economia

Alckmin anuncia piso paulista com reajuste

O piso regional de São Paulo possui três faixas - R$ 600, R$ 610 e R$ 620 - e cada uma delas deve receber um reajuste diferente

O governo de São Paulo fará o anúncio nesta manhã, após se reunir com representantes das centrais sindicais (Roberto Jayme/Governo de SP)

O governo de São Paulo fará o anúncio nesta manhã, após se reunir com representantes das centrais sindicais (Roberto Jayme/Governo de SP)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de janeiro de 2012 às 07h44.

Brasília/São Paulo - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anuncia hoje o reajuste do salário mínimo regional do estado. De acordo com fontes que participaram da negociação, o aumento deve ser um pouco maior que o concedido ao mínimo nacional, de 14,13%, e valerá a partir de 1º de março. O piso regional de São Paulo possui três faixas - R$ 600, R$ 610 e R$ 620 - e cada uma delas deve receber um reajuste diferente.

O governo de São Paulo fará o anúncio nesta manhã, após se reunir com representantes das centrais sindicais. Neste ano, o reajuste do piso foi antecipado por duas razões. A primeira foi o próprio mínimo nacional, que passou a valer R$ 622 no dia 1.º de janeiro e superou as três faixas do piso paulista. A segunda foi o compromisso de Alckmin, assumido no ano passado, de antecipar a vigência do piso para 1.º de março. O reajuste do piso regional beneficiou 1,4 milhão de trabalhadores em 2011, de acordo com o governo.

Em São Paulo, o mínimo regional existe desde 2007 e sempre recebeu reajuste um pouco superior ao nacional. Mas, neste ano, foi difícil manter a tradição. Assim como a União, o governo paulista considera a inflação do ano anterior mais o Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes. A dificuldade é que a inflação em 2011 foi bastante elevada. Além disso, em 2010 o PIB do País cresceu 7,5%, mais que os 6,9% registrados pelo PIB de São Paulo.

Nos anos anteriores, o reajuste do piso paulista sempre superou, mesmo que por muito pouco, o aumento do mínimo do nacional. Em 2008, o nacional aumentou 9,21% e o regional, 9,76%. No ano seguinte, o nacional aumentou 12,05% e o regional, 12,22%. Em 2010, o nacional aumentou 9,68% e o regional, 10,89%. No ano passado, o nacional aumentou 6,96% e o regional, 7,14%. Entre 2007 e 2011, o mínimo paulista acumula um crescimento de 46,34%, frente 43,42% do nacional.

No estado, há uma quarta faixa do piso, paga a 14 mil servidores na ativa e a 10 mil inativos, que atualmente corresponde a R$ 630. O reajuste dessa faixa ainda seria definido por Alckmin. No ano passado, ao passar de R$ 590 para R$ 630, este piso trouxe um impacto de R$ 21,6 milhões à folha de pagamento do estado. O projeto de lei que aumenta o mínimo regional será enviado à Assembleia já na abertura dos trabalhos legislativos, em fevereiro.

Acompanhe tudo sobre:cidades-brasileirasGeraldo AlckminGovernadoresGovernoMetrópoles globaisPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosReajustes de preçosRemuneraçãoSalário mínimoSaláriossao-paulo

Mais de Economia

Prévia do PIB: IBC-Br fica estável e fecha abril com variação de 0,01%, abaixo da expectativa

Inflação ao consumidor na China continua em alta

Petrobras prevê perfurar novos poços do pré-sal em 2025 para garantir futuro da bacia de Campos

Senado estuda usar atualização do IR e repatriação para compensar desoneração

Mais na Exame