Economia

Agricultores atingidos pela seca terão dívida prorrogada

A prorrogação foi anunciada hoje pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence, durante anúncio de medidas para estados atingidos pela seca

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence:  "Os contrato terão seus prazos de pagamento prorrogados ate 31 de julho" (Wilson Dias/ABr)

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence: "Os contrato terão seus prazos de pagamento prorrogados ate 31 de julho" (Wilson Dias/ABr)

DR

Da Redação

Publicado em 12 de janeiro de 2012 às 17h00.

Brasília - Os agricultores familiares que vivem em municípios atingidos pela estiagem na Região Sul terão o vencimento de parcelas do financiamento agrícola prorrogado até 31 de julho. A medida vale para os produtores que não contrataram o crédito rural com seguro.

A prorrogação foi anunciada hoje pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence, durante anúncio de medidas para estados atingidos pela seca.

“Os contratos, tanto os de custeio, já renegociados anteriormente, como os de custeio e investimento da safra 2011/2012 terão seus prazos de pagamento prorrogados ate 31 de julho. Para isso, os produtores terão que se dirigir ao agente financeiro”, explicou o ministro. Segundo Florence, cerca de 15% dos contratos da agricultura familiar não estão segurados.

Conforme o tamanho da perda, as dívidas dos produtores não segurados poderão ser reescalonadas por um prazo máximo de cinco anos. Outra medida para atenuar as perdas dos agricultores familiares atingidos pela estiagem no Sul, é a oferta de subsídio para compra de milho e trigo para garantir suprimento nutricional do gado leiteiro. “Vamos comprar grãos e revender a preços subsidiados, garantindo a nutrição e a continuidade da produção leiteira”, disse o ministro.

Acompanhe tudo sobre:AgronegócioDívidas empresariaisSulTrigo

Mais de Economia

Cade dá aval e Petrobras cancela privatização de TBG e 5 refinarias

EUA podem levar mais tempo do que outros países para voltar à meta de 2%, diz membro do Fed

'Indústria brasileira tem que levantar a cabeça e se defender', afirma Mercadante

Dolarização na Argentina: Milei apresenta como pretende transformar a economia do país

Mais na Exame