Como Singapura, Suíça e economias desenvolvidas lidam com as criptomoedas?

Entenda como os principais órgãos reguladores de alguns dos maiores centros financeiros do mundo estão definindo as regras do jogo para as criptomoedas
 (Future of Money/Divulgação)
(Future of Money/Divulgação)
Por Thamilla TalaricoPublicado em 20/08/2021 14:32 | Última atualização em 20/08/2021 14:34Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Nos últimos anos, com o aumento expressivo na demanda por bitcoin e outros criptoativos em todo o mundo, órgãos reguladores de diversos países começaram a buscar as formas mais eficientes de regular esta classe de ativos, a fim de proteger a economia nacional e as finanças de seus cidadãos.

Entretanto, não há uma padrão para a definição das "regras do jogo" para os criptoativos e, por conta disso, os países lidam com a situação de formas bem distintas, nas quais se destacam as regulações mais amigáveis em relação as criptomoedas, que por conta de seu posicionamento, estão construindo verdadeiras pontes entre o mundo das finanças tradicionais e o ecossistema de criptoativos.

Nesta edição do Panorama Regulatório, Nicholas Sacchi e Thamilla Talarico dão continuidade a discussão das jurisdições fora do Brasil, que são mais amigáveis em relação aos criptoativos. Esclarecemos como os principais órgãos reguladores lidam com empresas do setor e com os próprios criptoativos, especialmente na Suíça, lar do Crypto Valley e em Singapura, sede das principais corretoras de criptomoedas do mundo. 

Inscreva-se em nosso canal no Youtube e ative as notificações para não perder nenhuma novidade! Caso preferir, ouça o nosso podcast no Spotify ou em sua plataforma de streaming favorita!

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter YouTube